21/11/2018 07:12

Quantidade de visualizações: 327

Paulo César Desidério com Asis Wébio

Encerra-se no próximo dia 22 de novembro mais um ano letivo do projeto Moral (Movimento Rotário de Alfabetização de Adultos), desenvolvido pelo Rotary Clube Cidade Alta em Tangará da Serra. O projeto abrange estudantes acima dos 15 anos de idade e é executado em Tangará da Serra há 25 anos e já alfabetizou quase 4 mil pessoas.

De acordo com Carlos Tayano, um dos responsáveis pelo projeto, no início outros municípios também eram atendidos. Do ano de 1993 até hoje, o projeto passou por diversos locais e era aplicado de diversas maneiras diferentes, por meio de parcerias. Atualmente, a principal delas é a Cooperativa Sicredi. O professor falou a respeito da formatura, que acontece nesta quinta-feira.

“Hoje nós temos sete salas abrangendo em torno de 110 alunos, inclusive no presídio feminino e na comunidade terapêutica, ali próximo da curva da Paraíso. Aqui na cidade, também temos algumas turmas em parceria com o governo do estado através do Ceja Antônio Casagrande”, afirmou.

O projeto é apontado como o carro-chefe do Rotary Cidade Alta em Tangará da Serra. Para alfabetizar pessoas que não tiveram a oportunidade de estudar na idade certa, o principal incentivo é dar incentivo para que os alunos permaneçam em sala após um dia inteiro de trabalho. Segundo Tayano, é exatamente esse o papel do projeto que no ano que vem contará com mais turmas.
“Nós levamos material didático coletivo para a sala, para que sejam feitos trabalhos de artes manuais. Temos a camiseta que eles utilizam como uniforme para participarem do projeto, irem às aulas. Tem o exame de vistas para alguns que necessitam, que não enxergam direito. Para estar aprendendo a ler e a escrever é necessário enxergar direito. Então, nós fazemos o exame de vistas com oftalmologistas, fazemos os óculos, entregamos para eles estarem também estudando”, afirma.

O grande ápice do Moral, bem como de todo longo caminho de obtenção de conhecimento é a formatura. Na opinião de Tayano, a luta contra o analfabetismo é de suma importância para a construção de uma sociedade mais ativa e com qualidade de vida.

“Eles vão lá, nós fazemos uma festa bacana com jantar, com premiação, sorteio de brindes e até de um computador. Então, é uma forma que o Rotary encontrou de estar incentivando os alunos, as pessoas analfabetas a procurarem a escola porque a educação no Brasil e no mundo é muito importante. Sem a educação, nós temos mazelas na questão da fome, o analfabetismo contribui para isso também. É importante que todos estejam engajados nessa luta contra o analfabetismo que nós julgamos como uma mazela mundial e para disso nós precisamos nos empenhar. Não só a parte governamental, mas também a parte da sociedade organizada. O Rotary é uma delas”, concluiu.