08/11/2018 07:27

Quantidade de visualizações: 327

Paulo César Desidério com Gilvan Melo

Foto: Arquivo Pioneira

No último dia 05 de novembro, comemorou-se o dia nacional da cultura. A data foi instituída por meio de lei federal no ano de 1970, como forma de homenagem a Rui Barbosa, uma das figuras mais importantes da história do Brasil. Na opinião do chefe do departamento de cultura de Tangará da Serra - braço da Secretaria Municipal de Educação e Cultura (Semec) - Anselmo Parabá, no município há motivos para comemorar, principalmente no que diz respeito à evolução de políticas públicas direcionadas ao setor.

“A nível municipal nós tivemos o sistema municipal de cultura, o fundo municipal de cultura, o plano municipal de cultura aprovado, conselho municipal de política cultural em andamento, então, são leis que promovem políticas públicas para a cultura e com certeza precisamos desses instrumentos de gestão, desses instrumentos de políticas públicas para conduzir as ações da cultura dentro do nosso município”, disse.

Parabá apontou que outros avanços também foram registrados em Tangará, inclusive em números. Além do aumento nas vagas das diversas oficinas culturais oferecidas e no maior fluxo de eventos organizados pelo departamento, há ainda a Sala de Memória, que preserva a história do município recebendo mais de 350 pessoas por semana, sendo elas monitoradas ou espontâneas.

“As oficinas culturais saíram de 350 vagas em 2014 para 5.000 vagas em 2018. Tivemos a previsão de realizar cerca de 47 eventos durante o ano de 2018, também realizamos o apoio a diversos outros eventos locais dentro do nosso município. A Sala de Memória recebe visitas de todo mundo, de todas as escolas, temos um programa municipal hoje que recebe essas visitas monitoradas através das escolas municipais, estaduais, particulares, também faculdades e grupos organizados de famílias, de associações em geral”, destaca, ao frisar que os interessados em visitar a Sala de Memória com guia e monitoria podem agendar junto ao departamento de cultura.

Outro espaço de contemplação cultural em Tangará da Serra é a Biblioteca Pública Municipal, que a exemplo da Sala de Memória funciona anexa ao Centro Cultural Pedro Alberto Tayano Filho. Segundo Parabá, 300 pessoas passam pelo local semanalmente.

“Isso faz com que continue ativa a busca da população pelos livros da nossa biblioteca, bem como o acesso à internet pelos computadores que são disponibilizados”, comenta.

Sobre as oficinas, o chefe do departamento citou o processo descentralização, que proporcionou expansão das aulas para além do Centro Cultural. Parabá também exaltou a reforma do anfiteatro, que foi totalmente remodelado e já recebeu diversos eventos.

“As oficinas culturais são um sucesso, é uma realidade hoje. Acontece a descentralização em diversos bairros da cidade e também hoje nós temos polos de oficinas acontecendo em Progresso e também no distrito de Joaquim do Boche. O teatro público municipal, que hoje está completamente restaurado e foi devolvido à população, proporciona diversos eventos culturais e também eventos de interesse público municipal a todos, possibilitando o acesso ao teatro de nossa cidade. Então, temos grandes avanços dentro da cultura local e a gestão pública municipal tem dado total suporte para que essas ações aconteçam”, concluiu.