08/11/2018 07:27

Quantidade de visualizações: 411

Rádio Pioneira com Gazeta Digital

Foto: João Vieira/GD

Sete pessoas investigadas por integrarem uma organização criminosa atuante no tráfico internacional de cocaína são consideradas foragidas da Polícia Federal. Informações dão conta que 4 estão escondidos na Bolívia e 3 ainda se encontram no Brasil. Os nomes dos suspeitos não foram divulgados para não atrapalhar as investigações. Contudo, os dados dos investigados já estão no sistema da Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol).

A Operação Escalada foi deflagrada em Mato Grosso e mais 5 estados, na terça-feira (7), com o objetivo de combater o narcotráfico. Ao todo, foram expedidos 42 mandados judiciais, sendo 4 de prisão preventiva, 14 de prisão temporária e 24 mandados de busca e apreensão.

Segundo a PF, até o momento foram cumpridas 11 prisões. Entre eles dois pilotos de avião que traziam a droga da Bolívia para o Brasil. Um deles foi preso em Araputanga Araputanga (345 km a oeste de Cuiabá) e outro em Corumbá (MS).

O empresário do ramo de locadora de veículos, Eliezer Antonio de Araújo, é um dos presos e está sendo interrogado em Cáceres (225 km a oeste de Cuiabá), conforme uma fonte do Gazeta Digital. A PF não confirmou se ele seria um dos pilotos.

A 7ª Vara Federal Criminal em Cuiabá determinou ainda o bloqueio de contas bancárias utilizadas pelos investigados, além do sequestro de bens.

As investigações começaram há cerca 10 meses em Cuiabá. Foram apreendidos 3,7 mil quilos de pasta-base de cocaína, além de uma aeronave bimotor e diversos veículos utilizados no transporte da substância ilícita ou adquiridos com valores provenientes do tráfico.

As ações ocorrem em Cuiabá, Várzea Grande, Santo Antonio de Leverger, Poconé, Cáceres, Rondonópolis, Alto Araguaia, Corumbá (MS), Manaus (AM), Paulinia (SP), Bauru (SP), Uberlândia (MG) e Vilhena (RO).

O nome da operação é em razão de alguns dos principais investigados terem experimentado um grande aumento patrimonial em tempo reduzido sem qualquer ocupação lícita que as justifique, tais como uma cobertura em apartamento de luxo e imóvel e apartamento de luxo em Cuiabá.