07/11/2018 13:25

Quantidade de visualizações: 367

Paulo César Desidério com Asis Wébio

Foto: Ilustrativa

No último dia 31 de outubro foi celebrado o dia mundial da poupança. A data foi criada pelo Instituto Mundial de Bancos de Poupança na Itália, em 1922. No entanto, a data só passou a ser celebrada no Brasil a partir do ano de 1933. Além de comemorar, o dia mundial da poupança visa conscientizar os cidadãos a respeito da importância de poupar.

De acordo com a doutora em economia, Karine Medeiros Anunciatto, o ato de poupar é o primeiro passo para que todos os trabalhadores que possuem intenção de guardar dinheiro, possam investir para que garantam um futuro mais confortável do ponto de vista financeiro.

“O rendimento atual da poupança no Brasil está em torno de 4,55% ao ano, o que em relação aos outros investimentos, não é tão grande. Mas a poupança é importante por causa da liquidez, ou seja, quando você precisa do dinheiro, você retira do banco sem muita burocracia. Além disso, é uma forma de guardar dinheiro de uma maneira segura. Ao invés de colocar no colchão, você coloca num banco, o risco é baixo e caso tenha uma crise no sistema bancário, o seu dinheiro é garantido, ou seja, você tem como ter de volta aquele dinheiro que você guardou”, afirmou.

Conforme Karine, a poupança exerce um papel fundamental na economia moderna, principalmente em situações emergenciais, que demandem a necessidade de dinheiro rápido. Entretanto, poupar é um hábito desafiador, que requer paciência e determinação de quem o faz.

“Para você que deseja poupar, a ideia é que você tenha um objetivo fixo. Então, tenha uma meta, seja comprar uma casa, comprar um carro, abrir um empreendimento. Tenha uma meta e tenha um cálculo de quanto vai custar essa meta, quanto vai custar essa casa, quanto vai custar abrir essa empresa. Outro passo importante é o orçamento. Toda poupança vem de um orçamento muito bem feito. Então, antes de você receber o seu salário, faça um orçamento e nesse orçamento, já programe o valor a ser poupado, ainda que esse valor seja pequeno, mas programe esse valor dentro do seu orçamento”, colocou.

A economista ainda destaca que jamais deve-se perder o controle com relação às contas fixas da casa (água, telefone, energia elétrica, internet, por exemplo). Segundo ela, ter as datas de validade em mente é importante para que os juros não atrapalhem a vida do consumidor. Trabalhar com levantamento de custos dos produtos no mercado antes de fazer compras também é altamente recomendável, bem como as compras à vista.

“Evite comprar a primeira coisa que você vê. Sempre vá até as lojas e faça orçamento, pesquise bastante os preços. Tente comprar sempre à vista e se for necessário parcelar, anote o valor dessa parcela para que você não se embole com dívidas futuras. Fique atento com cartão de crédito e cartão de débito. Antes, as pessoas se endividavam muito por causa dos cheques e perdiam o controle dele. Hoje, a dívida maior está no cartão de crédito e quando você compra, você não sente que está gastando, você só vai pagar isso no futuro. Então, anote esse valor para que você não esqueça que você comprou um bem e que lá no seu próximo pagamento você vai ter que comprar”, ressaltou, ao pontuar que organizar lista de compras também ajuda para evitar gastos com produtos desnecessários.

Outra coisa praticamente imperceptível, mas que faz a diferença no ato de poupar está nos descontos. Nem todo mundo sabe, mas contas pagas antes do vencimento dão direito a desconto para o consumidor.

“Se você vai pagar uma parcela antes de vencer, você tem direito a desconto. Então, peça desconto. Se você vai comprar um produto à vista, peça desconto. Ainda que seja no cartão de débito, você tem direito a esse desconto. São alguns passos que a gente pode fazer para ter uma poupança um pouco maior e uma velhice um pouco mais segura”, concluiu Karine.