11/10/2018 07:11

Quantidade de visualizações: 610

Paulo César Desidério com Asis Wébio

A cidade de Tangará da Serra é o quinto maior colégio eleitoral de Mato Grosso. Quem consultar resultados de eleições anteriores poderá constatar que desde a primeira eleição após a virada do século, o candidato ao governo que ganha aqui, se elege. Foi assim em 2002, quando 49,64% do eleitorado tangaraense votou em Blairo Maggi (PPS), governador eleito naquela ocasião. Na sua recondução ao cargo, em 2006, Blairo recebeu 64,82% dos votos no município. Seu sucessor, Silval Barbosa (PMDB), também foi o candidato com mais votos em Tangará da Serra na eleição de 2010. Na oportunidade, o ex-vice de Maggi alcançou o percentual de 55,39% dos votos na cidade.

Quatro anos depois, Pedro Taques, que concorreu pelo PDT, obteve 69,09% dos votos dos tangaraenses. Desta vez, o governador eleito foi Mauro Mendes (DEM). Em Tangará da Serra, a exemplo de seus antecessores, ele foi o preferido dos tangaraenses, alcançando 55,42% dos votos válidos na cidade. No estado, o ex-prefeito de Cuiabá conquistou 58,69% dos votos.

O prefeito de Tangará da Serra, Fábio Martins Junqueira (MDB), que apoiou a candidatura de Mendes, falou a respeito do resultado final, o qual na sua avaliação foi satisfatório. O gestor lembra que o governador eleito já enfrentou os desafios de uma gestão municipal, quando exerceu o mandato de prefeito de Cuiabá entre os anos de 2013 e 2016 e que justamente neste período, a capital do estado passou pelos transtornos causados pelas obras da Copa, pela turbulência do início da gestão de Pedro Taques no comando do governo do estado com suas auditorias, prisões de ex-integrantes da cúpula do governo anterior e interrupção de contratos já firmados.

“Tenho respeito e admiração pelos demais candidatos ao governo. Recebi em Tangará da Serra praticamente todos os candidatos ao governo do estado que aqui estiveram e me procuraram institucionalmente, recebi todos eles. Inclusive um deles, por ter vindo no sábado, recebi na minha casa. Mas, de uma forma ou de outra eu tive toda uma reflexão a respeito do que era melhor para Mato Grosso e do que era melhor para Tangará da Serra nesse contexto. Eleger um governador que tenha sido prefeito, para mim foi uma fonte de apoio. Terminei por fazer opção pelo Mauro”, comentou em entrevista à Pioneira.

Fábio relatou nunca ter tido muito contato com Mauro Mendes. Por terem sido prefeitos no mesmo período, haviam cumprimentos formais entre ambos em reuniões com os gestores municipais do estado e só. Todavia, segundo Junqueira, a escolha de apoiá-lo só foi feita após conversar com ele e seu vice, Otaviano Pivetta, que também já geriu um município. Pivetta foi prefeito da cidade de Lucas do Rio Verde, no norte do estado. O abandono de gestões estaduais anteriores foi um dos principais assuntos entre os três.

“Não posso aqui dizer que sou da cozinha do Mauro eleito porque na verdade não tinha e nem tenho essa intimidade com ele. Mas, de uma forma ou de outra, eu refleti bastante, demorei um pouco para fazer a opção por ele e só fiz opção depois de ter conversado longamente com ele e com o vice Otaviano Pivetta. A partir do momento em que marcamos posições a respeito de Tangará da Serra, da importância de Tangará da Serra no cenário do estado, da forma como Tangará nos últimos governos tem sido relegada a segundo plano, nas questões de logística, saúde, questões regionais. Tangará recebe os problemas de uma região, mas não recebe as soluções para os problemas regionais. A gente fica com os ônus e os bônus não acontecem para Tangará da Serra. Essas questões eu expus, discuti, ouvi também questionamentos, respeito os questionamentos feitos, mas o fato é que me fizeram e me convenceram a apoiar Mauro Mendes para governador do estado e Otaviano Pivetta para vice-governador”, contou.

Na opinião do prefeito, Mendes se elegeria independentemente de seu apoio. Entretanto, o emedebista acredita que há uma parcela do eleitorado que aguarda o posicionamento das lideranças políticas da cidade para definirem seus votos.

“Não sei até que ponto influenciei na eleição, até que ponto eleitores se convenceram e me acompanharam. Acredito que ele seria vitorioso independente do meu apoio, mas também tenho ouvido pessoas que me dizem (...). Ontem mesmo, ao sair da prefeitura, passei numa farmácia para comprar medicamentos e os funcionários da farmácia me disseram que fizeram opção pelo Mauro me seguindo. Então, de uma forma ou de outra, acredito que existe um número de cidadãos que também ouvem a posição de uma liderança política da cidade para opção do seu voto e eu tenho orgulho de ter participado desse movimento, de ter conseguido chegar nesse resultado com uma satisfação muito grande”, frisou o prefeito, ao comemorar também a eleição do Dr. João José de Mattos para o cargo de deputado estadual.

Agora, com o governador democrata eleito e um deputado estadual correligionário, fica a expectativa tanto por parte da população quanto de Junqueira, de que o município de Tangará da Serra seja visto com outros olhos pelo governo do estado a partir do dia 01 de janeiro do ano que vem.

“Estou feliz com a eleição do Mauro Mendes, porque vejo a possibilidade de nós termos as relações mais municipalistas no próximo mandato de governo do estado”, concluiu o prefeito.