24/09/2018 07:07

Quantidade de visualizações: 361

Paulo César Desidério com Asis Wébio

Fotos: Asis Wébio/ Rádio Pioneira

As obras da Escola Estadual que está em construção no Jardim Tarumã em Tangará da Serra estão em andamento. Porém, a lentidão tem preocupado tanto a população como a própria empreiteira responsável. Segundo informações apuradas pela reportagem da Rádio Pioneira, desde março deste ano os novos projetos apresentados pela empresa aguardam liberação do governo do estado, por meio da Secretaria Estadual de Educação (Seduc).

As obras já deveriam estar concluídas e no próximo mês de outubro já vão completar cinco anos. O engenheiro responsável pela empreiteira, Iomar Ravanelli, falou a respeito dos trabalhos. Boa parte do que havia sido feito pela outra empresa, que teve contrato rompido pela Seduc ao final de 2015, teve de ser reconstruído.

“Nós estamos tocando a obra num ritmo muito lento devido aos problemas encontrados desde o início quando a gente recebeu a ordem de serviço. Por se tratar de uma retomada de uma obra que estava paralisada, no seu início a gente constatou diversos problemas de projeto. O projeto que vinha sendo executado pela outra empresa estava incompatível com os projetos que a gente recebeu na presente licitação. Então a gente aguarda desde março, quando foi constatado isso, a aprovação dos novos projetos estruturais e arquitetônicos onde houve algumas mudanças das salas de aula”, declarou.

Segundo Ravanelli, as principais frentes de trabalho foram feitas desde que a nova empresa assumiu. Agora, a nova ordem de serviço será determinante para o andamento mais célere da etapa seguinte. Uma reunião entre empreiteira e Seduc trouxe a esperança de que nos próximos dias seja feita a assinatura.

“Segundo a Seduc nos informou no dia de ontem (sexta-feira, 21), nos próximos dias é para sair essa aprovação para a gente retomar a obra a todo vapor. Não que a obra esteja paralisada. A obra está em andamento, estamos trabalhando, mas em ritmo muito lento porque não tem muita frente de serviço. O que tinha pra fazer, liberado a gente já concluiu”, disse o engenheiro.

A morosidade do processo acaba por prejudicar crianças e adolescentes de um bairro Tarumã, que após o abairramento se tornou um dos mais populosos de Tangará da Serra. O fato de não haver escolas no bairro – há apenas uma creche, sob responsabilidade do município – acaba obrigando os alunos a se deslocarem para outros bairros. Em meio a demora para a autorização do governo e o pleito eleitoral deste ano, a obra segue sem previsão de conclusão.

“Uma previsão de conclusão é muito difícil de passar, porque a gente não sabe como vai ser na sequência. É um ano eleitoral, pode ser que mude o governo, a gente não sabe disso também, então vamos ter que aguardar a virada do ano para saber como a Seduc vai tratar essas situações”, finaliza Iomar.

Seguindo a passos lentos, obras da escola estadual do Tarumã completarão 5 anos Seguindo a passos lentos, obras da escola estadual do Tarumã completarão 5 anos Seguindo a passos lentos, obras da escola estadual do Tarumã completarão 5 anos Seguindo a passos lentos, obras da escola estadual do Tarumã completarão 5 anos Seguindo a passos lentos, obras da escola estadual do Tarumã completarão 5 anos Seguindo a passos lentos, obras da escola estadual do Tarumã completarão 5 anos Seguindo a passos lentos, obras da escola estadual do Tarumã completarão 5 anos Seguindo a passos lentos, obras da escola estadual do Tarumã completarão 5 anos Seguindo a passos lentos, obras da escola estadual do Tarumã completarão 5 anos Seguindo a passos lentos, obras da escola estadual do Tarumã completarão 5 anos Seguindo a passos lentos, obras da escola estadual do Tarumã completarão 5 anos Seguindo a passos lentos, obras da escola estadual do Tarumã completarão 5 anos Seguindo a passos lentos, obras da escola estadual do Tarumã completarão 5 anos Seguindo a passos lentos, obras da escola estadual do Tarumã completarão 5 anos Seguindo a passos lentos, obras da escola estadual do Tarumã completarão 5 anos Seguindo a passos lentos, obras da escola estadual do Tarumã completarão 5 anos Seguindo a passos lentos, obras da escola estadual do Tarumã completarão 5 anos