22/09/2018 07:44

Quantidade de visualizações: 164

Marlenne Maria - da Redação

O sábado está sendo marcado por uma ação voluntária que integra a campanha Setembro Amarelo. A “Escutatória” é realizada pelos profissionais que trabalham no Centro de Atendimento Psico Social - CAPS, com a ajuda de parceiros voluntários.

Em entrevista ao programa o Povo no Rádio nesta sexta-feira (20), a Psicóloga Thereza Érika, que integra a equipe do CAPS, explicou o objetivo do evento. “Escutatória vem de escuta. E se precisamos escutar, existem também pessoas que estão precisando falar de algumas coisas. Então, este evento valoriza a importância da escuta a questões humanas, a questões emocionais, ao sofrimento e às vezes alguma situação de adoecimento emocional. A escutatória é uma ação onde as pessoas que tiverem desejo ou necessidade de falar sobre alguma situação de angústia ou sofrimento, problemas de depressão ou síndrome de pânico ou outras, ou quem eventualmente pense em se matar. Todas estas pessoas, desde que maiores de idade, podem comparecer livremente para buscar seu atendimento nesta escutatória”.

O atendimento será feito por uma equipe formada por 11 profissionais; uma Assistente Social, cinco profissionais de Psicologia, Dois Psiquiatras e dois Médicos Clínicos. “São profissionais que foram escolhidos pelo seu talento e habilidade em manejar questões de saúde mental reconhecidamente em nosso município, tanto do seguimento público quanto privado”, destacou Thereza Érika.

O atendimento se dará mediante distribuição de senhas por ordem de chegada. A entrega das senhas acontecerá de manhã às 07:00 e, havendo vagas também às 13:00.

“É importante que as pessoas reconheçam nesta ação um lugar de escuta acolhedora, que privilegia o cuidado e a democratização desta possibilidade de escuta. É uma iniciativa inspirada em alguns projetos que existem no país todo que oferecem por vezes psicanálise ou atendimento psicológico numa nova perspectiva, de que as pessoas tenham acesso aos cuidados com a saúde mental. Se temos altos índices de suicídio no Brasil e no mundo é porque precisamos cuidar da saúde mental com maior atenção”, ressalta a Psicóloga.

Além dos atendimentos na escutatória propriamente dita, quem quiser poderá receber massagens que serão oferecidas no espaço por acadêmicos do curso de fisioterapia da Unic.

Sem preconceitos

A psicóloga Thereza Érika ressaltou que os interessados podem comparecer sem receio. “Independentemente de classe social ou idade, desde que tenha mais que 18 anos, quem quiser ser escutado, compareça. Tenho enfatizado que deixem de lado o preconceito. Ninguém sabe por qual motivo você vai lá. Todos os que farão o atendimento são acostumados a lidar com o sigilo profissional. Então, vá por você. Tenho certeza que valerá muito a pena”, ressaltou.