19/09/2018 08:03

Quantidade de visualizações: 219

Marlenne Maria - da Redação

Em entrevista ao programa o Povo no Rádio nesta terça-feira (11), a Psicóloga Thereza Érika, integrante da equipe do Centro de Assistência Psico Social (CAPS) de Tangará da Serra explicou os motivos para a realização da campanha Setembro Amarelo.

Ela relatou que o Setembro Amarelo é uma campanha de prevenção do suicídio que existe em virtude dos números de casos cada vez maior desta ocorrência. “No Brasil estima-se que 32 pessoas se suicidem por dia. E já há pesquisas mais recentes que falam em número maior, de 45 pessoas por dia. O Brasil é o 5º país do planeta em depressão, 1º em transtornos de ansiedade. Mas, esta questão do suicídio não aflige só o Brasil, mas o mundo inteiro. Estima-se que mundialmente um milhão de pessoas se matem por ano e que este número pode chegar ao dobro em 2020. Por isso em 2014, a Organização Mundial de Saúde - OMS criou a campanha Setembro Amarelo”.

O Brasil aderiu à campanha em 2015 e Tangará da Serra também já realiza a 4ª edição. “O suicídio é um problema social, é uma questão de saúde, porque saúde reúne vários aspectos da nossa vida. Mas, é acima de tudo um problema social que impacta sobre famílias e sobre a comunidade na qual aquela pessoa está inserida”, destacou a Psicóloga.

Ela disse ainda que vê o Setembro Amarelo também como uma campanha de valorização da vida. “A campanha nos leva a pensar sobre a existência, sobre a trajetória na vida, sobre a morte, sobre nossos relacionamentos e nossas políticas públicas para atender estes problemas. Muitas pessoas que suicidam, podem ter alguma enfermidade psicológica, mas isto não acontece em todos os casos. Algumas pessoas podem vivenciar alguma situação que para elas é de difícil enfrentamento ou resolução, que elas sentem desta forma e por isso se matam. Todas estas coisas precisamos conversar. Quando se trata de ser humano, não podemos ser generalistas, porque as pessoas têm diferentes histórias, oportunidades e vivem em diferentes ambientes”.

Thereza Érica explicou que é importante lembrar que a pessoa que suicida tem algum tipo de sofrimento. “Este sofrimento pode ser evidenciado através de algum problema de saúde como depressão, esquizofrenia, transtorno bipolar e problemas com drogas estão entre as associadas ao fato de a pessoa se matar. Mas este não é o único fator que leva a pessoa ao suicídio. Ela pode passar por alguma situação ou problema que ela não se sente capaz de fazer o enfrentamento”.

“Falar é a Melhor Solução”

O slogan da campanha tem vários significados segundo a psicóloga. “Primeiro que vivemos em relações afetivas, familiares e sociais. Às vezes é difícil até olharmos para nós mesmos e nos conhecermos e percebermos, ou às vezes tomar uma decisão ou fazer escolhas. Então, falar, compartilhar é bom. Às vezes o outro não vai trazer uma solução imediata, mas ele pode acolher, apoiar, oferecer orientação. E quando tiramos algo de dentro de nós, vemos sob outra perspectiva. Porque às vezes, além de construirmos fantasia de que podemos resolver tudo, aquele problema se torna maior. Há coisas difíceis de serem carregadas sozinho”.

Buscar ajuda

Thereza Érica disse que é importante buscar serviço profissional. “Eu aqui em Tangará atuo no CAPS que é um órgão que existe no município desde 2006. Mas, observamos que mesmo estando nos canais de comunicação e participando de eventos, há muitas pessoas que não sabem da existência do CAPS ou para que serve”, disse.

CAPS

O CAPS é um serviço público de saúde que pode acolher situações em que a pessoa esteja passando por algum sofrimento intenso ou quem já tenha diagnóstico em relação à saúde mental. “Porém, nós somos um serviço especializado, em média complexidade. Então, atendemos lá situações de moderadas a graves. A depressão, por exemplo tem alguns níveis como leve, moderado, grave e outras classificações. Um caso de classificação leve, de maneira nenhuma desprezando o sofrimento que representa, não atenderemos em nosso setor, porque estes casos serão atendidos nas unidades de atenção básica. Se perceber que há sofrimento psíquico, a pessoa pode inicialmente buscar seu posto de saúde que ele vai nos encaminhar. O CAPS é um dos poucos órgãos do SUS que não precisa de encaminhamento. Então, as pessoas podem nos procurar diretamente”, explicou.

Em Tangará da Serra o órgão tem sede na Rua Cinco, Nº 157-W (antiga sede da Politec) e atende pelo telefone 3326-4450. O atendimento é oferecido de segunda a sexta-feira, das 07:00 às 11:00 e das 13:00 às 17:00. O agendamento é feito pessoalmente no local e o prazo pode demorar em torno de uma semana.

Escutatória [de escutar]

No próximo dia 22 de setembro, vários profissionais participarão de uma ação no Posto Central de Saúde, oferecendo atendimento durante todo o dia. Serão distribuídas senhas para o atendimento no próprio local, às 07:00 da manhã e se ainda houver disponibilidade para a tarde, às 13:00. Os interessados podem se dirigir diretamente ao local, sem efetuar agendamentos antecipados. “As pessoas que tiverem o desejo de compartilhar algum sentimento ou sofrimento, que precisam de atendimento, que tem esta vontade de falar sobre isso, ou que pensem ou tenham tentado suicídio poderão comparecer à para serem atendidos. Já temos uma equipe de voluntários, médicos, psicólogos e assistente social que estarão lá para atender estas pessoas. Se não for possível atender a todos, faremos o encaminhamento lá. Todos serão bem acolhidos e serão atendidos por ótimos profissionais”, destacou Thereza Érica.