13/09/2018 07:16

Quantidade de visualizações: 166

Marlenne Maria com Gilvan Melo

Fotos: Gilvan Melo/Rádio Pioneira

Calor, baixa umidade do ar, poeira e fumaça afetam a saúde da população neste período do ano no estado de Mato Grosso. Em Tangará da Serra a situação tem se agravado devido ao índice alto de queimadas, que neste ano já superou até agora todo o volume registrado ao longo de 2017.

De acordo com o Coordenador da Defesa Civil de Tangará da Serra, Gilvani Mendonça de Lima, ainda falta muita conscientização por parte de algumas pessoas que contribuem com a má qualidade do ar realizando queimadas. “Infelizmente temos este período crítico com tempo muito quente, umidade do ar baixa e muitas pessoas anda não tem consciência e pioram a situação com as queimadas. Todos sabem que estão proibidas as queimadas tanto na zona urbana quanto rural. Segundo os Bombeiros de Tangará, as queimadas estão com índices mais elevados, mesmo com todos os alertas”, afirmou.

Ele lembra que realizar queimadas é crime. “Mesmo sabendo que é crime, muitos ainda fazem isto. A poeira por si só já traz grandes prejuízos para a saúde, em especial doenças respiratórias, e juntando com a fumaça o sofrimento é maior, principalmente idosos e crianças. Por isso pedimos que as pessoas evitem fazer as queimadas e não esquecer da hidratação pessoal”.

Entre os cuidados importantes para amenizar os problemas causados pelo clima seco, Gilvani lembra que o principal é manter o corpo hidratado. “Não fazer queimadas, beber muita água, evitar atividade física ou grandes aglomerações de pessoas para evitar a desidratação. Recomenda-se também colocar baldes de água na frente de ventiladores para melhorar a umidade do ar. A prática da atividade física deve ser restringida ao início ou final do dia, quando as temperaturas não são tão elevadas. Isso evita maior desgaste físico. Todos têm que beber bastante água, se fizer atividade física é preciso dobrar ou triplicar esta quantidade”.