06/09/2018 14:10

Quantidade de visualizações: 4398

Marlenne Maria com Gilvan Melo

Foto ilustrativa.

A afirmação é do Produtor Rural Smith, residente na região. Ele explica que os produtores fizeram um levantamento dos custos da obra e afirma que a terceirização da rodovia não é conveniente porque o cidadão terá que pagar a conta, tanto para a concessionária, quanto em impostos para o Governo.

Para o produtor, o momento também é inadequado, imoral e não social para leiloar uma concessão. “Nossos filhos pelos próximos 30 anos pagarão um pedágio caríssimo”, afirma.

Smith disse ainda que o leilão da rodovia tem tudo a ver com uma tentativa de arrecadar com outorga para tapar o buraco nas contas do atual Governo. “Toda a população da região é atingida com uma conta de R$ 3 bilhões de reais de pedágio que vamos pagar por uma obra que custaria R$ 740 milhões. 4 vezes o valor da obra, vamos pagar em pedágio”, afirmou.

O produtor afirmou que o Governo não consegue fazer o dever de casa para economizar dinheiro para investir. Lembrou que o Fethab II vai acabar dia 31 de dezembro e o caixa do Estado continuará sem dinheiro para investimentos. “Na própria Sinfra 96% do gasto mensal é com custeio, ou seja, funcionários, folha, carros, aluguel de carros, manutenção de prédios, nada para investir em rodovias”, afirma.

Sobre os pedágios

O valor dos pedágios também é questionado pelo produtor. Para ele, os valores são desproporcionais em relação a outras regiões do próprio estado que tem rodovias com pedágio. “De carro pequeno vai pagar de Tangará a Jangada R$ 25,00. De Itanorte ninguém mais vem por aqui, porque irá pela BR até o Posto Gil porque vai até nobres pagando R$ 4,50 por pista dupla e chega em Jangada. Por Barra do Bugres vai gastar R$ 25,00 mais o pedágio da Itanorte. Totalmente desproporcional”.

Discrepância

Smith explicou ainda que o Governo está trazendo para a região um modelo de concessão que seria para uma rodovia de grande porte, de quatro pistas, onde há fluxo muito grande. “Segundo a medição deles, nossa estrada tem 300 caminhões por dia, lá para a região de Jangada, são 3 mil ou mais por dia. Nossa estrada deixou de ser uma estrada inter-regional e hoje é só para a região. Somos em torno de 200 mil pessoas na região e vamos pagar 15 mil por pessoa. R$ 500,00 por ano cada habitante vai pagar. Agricultor da região, por exemplo não consegue transferir custo, tem que absorver. E este custo vai incidir. O comércio também vai aumentar o preço porque o frete vai sumir. Então, o custo de vida aqui da nossa região vai aumentar”.

Para o produtor, o modelo de concessão de rodovias visa garantir retorno de 9.8% ao ano para o investidor. “Para atingir isto, tem que cobrar pedágio tão caro. R$ 824 milhões destes 3 bilhões serão dividendos para a concessionária e em cima disto haverá R$ 500 milhões de impostos federais e sobre o pedágio incidirá o PIS/COFINS. Quase a metade do que vamos pagar vai para fora”, disse.

Ele também afirmou que o tipo de emprego que será gerado por esta estrada não fará sentido, porque será em 3 pontos de resgate em regiões que tem SAMU [que é mantido com recursos públicos]. “Então vamos pagar duas vezes pela mesma coisa. Vamos pagar por 30 anos 28 enfermeiros parados, 14 motoristas de guinchos e um diretor que vai ganhar R$ 27 mil por mês, mais encargos. Tudo isto vem em cima do lucro líquido para a concessionária. A opção escolhida para esta concessão é totalmente inadequada”.

Alternativa

Segundo Smith, a alternativa para a concessão à iniciativa privada, é o repasse para que associações assumam os pedágios e mantenham as rodovias. “A Assembleia Legislativa votará na semana que vem a opção de arrecadação de pedágios por associações. Se uma associação sem fins lucrativos administrasse, o pedágio cairia para menos da metade e receberíamos o mesmo serviço. Podemos, com três associações na região, fazer esta opção, mas precisa ter um movimento popular. Leilão às pressas pelo Governo para o setor privado será um ônus muito grande para os nossos filhos pagarem uma conta que veio do governo Silval e Riva, da copa do mundo. O governo atual herdou estas dívidas, não conseguiu resolver para fazer sobrar dinheiro para investir e nós vamos pagar esta conta”.