09/08/2018 13:53

Quantidade de visualizações: 295

Paulo César Desidério com Asis Wébio

Acontece neste sábado (11) em doze municípios mato-grossenses um evento de contação de histórias realizado pelo Fórum de Contadores de Histórias do Estado de Mato Grosso. A atividade acontecerá na parte da tarde, a partir das 14 horas nas cidades de Alta floresta; Barra do Garças; Campo Novo do Parecis; Comodoro; Cuiabá; Lucas do Rio Verde; Nova Mutum; Primavera do Leste; Sapezal; Sinop e Tangará da Serra.

Em solo tangaraense, a atividade acontecerá no Centro Cultural Pedro Alberto Tayano Filho e deve reunir desde os pequenos admiradores da literatura aos mais velhos.

De acordo com Adriane Rocha, uma das responsáveis pelo evento, todos estão convidados a prestigiar a atividade que surgiu por meio de projeto desenvolvida por meio de parceria entre o Departamento de Cultura e a Escola Dom Bosco.

“Aqui no município e no estado também é o primeiro, começou de uma ideia do projeto das aulas de extensão do Centro Cultural que acontecem na escola Dom Bosco. Com a parceria do Centro Cultural com a escola, aconteceram as oficinas de contação de histórias e de lá surgiu a ideia da mostra desse trabalho e culminou então com o encontro estadual desses contadores de história. Em cada canto do estado estará acontecendo também o mesmo evento nas praças, nas ruas, ocupando todo espaço onde tem gente e encantando as pessoas através da história”, afirmou.

Dentre as histórias contadas, estarão ‘O cravo e a rosa’, ‘O lápis mágico’, ‘Feiurinha’, ‘Fita verde no cabelo’, ‘João bobo’, entre outras. Alguns dos integrantes do time de contadores das histórias serão a própria professora de teatro Adriane, Joeli Siqueira, Robson Rocha, Iolanda Garcia e muito mais.

“Neste sábado às 14 horas, muitas histórias estarão acontecendo aqui. É a palavra ganhando vida e encantando as pessoas de todas as idades, de 8 a 80 ou até mais. É cultura, faz parte da nossa essência, tudo começou com os grandes contadores de histórias. Hoje a gente vive num mundo tão difícil, tão individualista e tão cinza digamos assim. A gente precisa encantar, nos encantar e encantar os outros. Isso faz parte de nós seres humanos, esse calor humano e nós optamos pela história, pela arte, pela cultura para fazer essa magia acontecer. Feliz de quem tem cultura, onde há cultura, a violência não reina”, completou Adriane.

Tarde de sábado terá contação de histórias no Centro Cultural em Tangará da Serra