07/08/2018 13:48

Quantidade de visualizações: 268

Paulo César Desidério com Gilvan Melo

Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS

Recentemente, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou a prévia do Censo Agro 2017. Os números da pesquisa apontaram diversos parâmetros acerca do que o setor agropecuário vive atualmente no país. Um deles mostra que os estados do Pará e Mato Grosso foram os que tiveram maior expansão em todo o país.

A Rádio Pioneira procurou o secretário municipal de agricultura, Ander Santos, que avaliou o cenário de Tangará da Serra dentro do estado.

“A especificação da nossa cidade, o modelo de divisão territorial da nossa cidade é um fator diferencial no estado de Mato Grosso, mas se destaca também com a diversificação da produção do campo. Temos um território vasto, grande percentual dele é de terras indígenas, mas 80% do território agricultável de Tangará da Serra são propriedades de menos de 100 hectares, então, isso reflete a nossa vocação natural que é para a agricultura familiar. Temos a presença do agronegócio, as grandes empresas, as grandes prestadoras de serviços na questão do agrobussiness, mas temos a presença maciça da agricultura familiar”, afirma, ao destacar que há diversos nichos a serem explorados na região, tanto na pecuária, quanto na própria agricultura.

“Nós temos um grande mercado a se explorar ainda na bacia leiteira e a bacia leiteira é eminentemente da agricultura familiar. Hoje, grandes culturas demandam de mão de obra e você tem como qualificar e ter a presença de equipamentos, máquinas, que otimizam esse trabalho e facilitam o manejo, os tratos culturais. Na pecuária leiteira, essa situação é limitada, porque você tem a presença de tecnologias, de máquinas, porém, o dia a dia precisa da presença do ser humano, assim como qualquer outra atividade no campo. Você tem poucas propriedades produtoras de leite que têm essa mão de obra terceirizada ou um serviço prestado através da geração de trabalho, carteira assinada. Você tem a família trabalhando nessas unidades de produção familiar, então se tem um viés econômico totalmente diferente” disse.

O secretário frisou ainda que acredita que em breve Mato Grosso deve assumir posição de protagonismo em relação a outros estados, no que diz respeito a produção de leite no país. Para Ander, os caminhos alternativos como a piscicultura, e produção de variados cultivares.

“O pescado de água doce é um mercado também muito grande. A produção de legumes, de hortaliças também é um mercado pouco explorado. Muitos desses alimentos vem de fora, o que não é o caso de Tangará da Serra, que temos uma produção até razoável, porém, ainda ficam vários produtos ainda não produzidos em Tangará da Serra. Hoje somos polo em fruticultura, a questão das folhosas cultivamos em escala também, inclusive atendendo municípios da região circunvizinha, porém, essa é uma situação que não é vista em Mato Grosso. Então, temos um vasto mercado e uma área agrícola ainda a ser explorada”, destaca.

Ander defendeu que a agricultura não se baseie em excesso de produção, mas sim em aproveitamento, fazendo com que haja mais retorno aos agricultores do que perdas.

“A diversificação das culturas é primordial. Hoje o entendimento é que primeiro se cuide do solo para depois almejar o lucro real da propriedade, porque muitas vezes ter uma grande produção não significa que te dê retorno. Talvez, o investimento, os insumos trazidos de fora são muitos e aí não se tem o retorno almejado. Hoje temos várias tecnologias, a questão dos bios e tem situações em que se pode trabalhar dentro da propriedade buscando equilíbrio e aumentando rentabilidade. Contudo, limitando o uso de químicos e agroquímicos”, pontua, ao afirmar que tal possibilidade já se tornou realidade em Tangará da Serra.

“Nós temos vários produtores que aderiram a esse modal de produção e estão tendo bom resultado. Às vezes não é o volume de produção por hectare que te dá a rentabilidade que você precisa para a sua propriedade. Então, nós vemos um cenário hoje de muita produção, temos muito ainda a evoluir em alguns aspectos, mas já damos bons exemplos para várias partes do país e do mundo”