04/08/2018 07:26

Quantidade de visualizações: 336

Marlenne Maria com Gilvan Melo

Foto: Gilvan Melo/Rádio Pioneira

O lançamento oficial da campanha aconteceu na Sala da Mulher, nas dependências da Prefeitura Municipal na manhã desta 6ª-feira (03).

Na campanha serão trabalhadas as vacinas Sabin, contra a poliomielite e a vacina contra sarampo. O período vai de 06 a 31 de agosto, com o “dia D” marcado para 18 de agosto.

As vacinas serão aplicadas em todas as unidades de saúde das 08:00 às 10:30 e das 13:30 às 16:30 e no dia D durante das 08:00 às 16:00. Em Tangará da Serra em torno de cinco mil crianças devem ser vacinadas.

A coordenação da campanha está sob a responsabilidade da Vigilância Epidemiológica e toda a equipe de atenção básica à saúde participa do trabalho.

“O objetivo desta campanha é imunizar crianças de 1 ano a menores de cinco anos. Em Tangará a nossa meta é imunizar 5.495 crianças. É importante ressaltar que a campanha é voltada para a criança, mas temos vacinas disponíveis para adultos que não estejam vacinados. Até 29 anos é preciso tomar duas doses na vida e dos 30 aos 49 uma dose. Pode se chamar tríplice viral, dupla viral, tetra viral ou MMR. Quem tiver destas vacinas duas doses até 29 anos ou uma dose até 49 anos está imunizada. Quem tiver dúvida pode procurar uma unidade de saúde que os enfermeiros vão olhar o cartão e ver se a pessoa está imunizada ou não”, disse Juliana Herrero, Coordenadora de Vigilância Epidemiológica.

Ela ressaltou que no “dia D” só serão vacinadas as crianças, mesmo aquelas que estejam com o cartão de vacinação em dia.

“Quando se trata de doença infecto contagiosa com nova incidência no Brasil todas as vigilâncias ficam em alerta. Já temos dois casos suspeitos em crianças de Tangará da Serra. Por isso o nosso apelo aos pais, porque as crianças dependem dos adultos os levarem até as unidades de vacinação”, destacou Juliana.

O Secretário Municipal de Saúde Itamar Martins Bonfim destacou a importância da campanha, ainda que Tangará tenha sempre alcançado a meta estipulada. “Estamos felizes por estarmos preparando uma campanha de vacinação diferenciada neste ano com uma parceria com os três clubes de Rotary. Isto para nós é uma honra e alegria haja vista que o Rotary vem há muitos anos patrocinando principalmente a vacina contra a paralisia. O Rotary entra como parceiro nosso nesta campanha, nos ajudando na divulgação, patrocinando alguns materiais e indo para as ruas conosco para conscientizar os pais e familiares das crianças. Temos acompanhado casos na região e casos suspeitos já aqui em Tangará da Serra. Agradeço, portanto os clubes de Rotary que sempre tem nos ajudado e mais uma vez estão presentes”, disse.

Brígida Fisher falou à imprensa presente no lançamento em nome da família rotária de Tangará da Serra. “Agradeço e convoco toda a comunidade tangaraense para esta bela campanha de suma importância”, afirmou.

Ela lembrou que em 1979 o Rotary realizou a 1ª campanha contra pólio nas Filipinas. Em 1985 começou no Brasil e em 1989 conseguiu erradicar a doença no país. Em 1994 o Rotary recebeu certificado de que desde 89 nenhum caso foi registrado no país. Já em 2013 o Ministério da Saúde junto com a Organização Mundial e o Centro de Prevenção e controle de doenças dos EUA fizeram acordo com o Rotary para erradicar a paralisia infantil, continuando o trabalho no Brasil. “Não quer dizer porque desde 94 não temos nenhum caso no Brasil, estejamos livres, porque qualquer um que venha para cá com o vírus pode passar o vírus. Por isso sejam conscientes: levem suas crianças com menos de cinco anos aos postos de saúde para termos certeza que no nosso município não tenhamos nenhuma criança com esta doença”, disse Brígida.

Não há contraindicações para as vacinas

No que se refere a contraindicações para aplicação das duas vacinas, segundo Juliana Herrero, não há. Apenas é recomendado adiar a aplicação se houver vômito persistente ou intenso no dia da vacinação ou diarreia intensa e persistente. Também é recomendado adiar a vacina em caso de febre alta no dia da vacinação. “Mas, não são contraindicações. Mesmo que haja quadro gripal, não precisa deixar de fazer a vacina. Quem tem alergia grave ao ovo deve efetuar a vacinação em unidades hospitalares”, afirmou a Coordenadora.

Casos suspeitos

Os dois casos suspeitos em Tangará da Serra foram detectados em crianças com idade entre um e dois anos. Os resultados dos exames deverão ser divulgados em cerca de 30 dias, segundo as autoridades de saúde do município.