26/07/2018 13:18

Quantidade de visualizações: 111

Rádio Pioneira com Gazeta Digital

O deputado estadual Mauro Savi (DEM), o ex-secretário da Casa Civil em Mato Grosso, Paulo Taques, e os empresários Roque Anildo e José Kobori aguardam julgamento por liberdade nesta quinta-feira (26), junto ao Pleno do Tribunal de Justiça (TJMT). Os habeas corpus constam em pauta, sob relatoria do desembargador José Zuquim.

Otmar de Oliveira

Os réus estão presos preventivamente desde o dia 9 de maio, quando foram alvos da 2ª fase da operações Bereré, denominada Bônus, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco).

O Ministério Público Estadual (MPE) denunciou 58 pessoas acusadas de envolvimento com uma organização criminosa que operava um esquema de propoina no Detran por meio de contratos com a empresa EIG Mercados.

Dentre elas, estão 7 deputados estaduais, o ex-governador Silval Barbosa, seu chefe de gabinete, Sílvio Cézar Corrêa Araújo, o ex-deputado federal Pedro Henry, o ex-secretário chefe da Casa Civil, Paulo Taques e o ex-presidente do Detran, Teodoro Moreira Lopes, o Dóia, que também é delator do esquema.

De acordo com o MPE, os fatos vieram à tona a partir de colaborações premiadas. O esquema girou em torno da contratação da empresa responsável pela execução das atividades de registros junto ao Detran dos contratos de financiamentos de veículos com cláusula de alienação fiduciária, de arrendamento mercantil e de compra e venda com reserva de domínio ou de penhor.

João Vieira

Na ocasião, para obter êxito na contratação, a empresa se comprometeu a repassar parte dos valores recebidos com os contratos para pagamento de campanhas eleitorais. Estima-se, que foram pagos cerca de R$ 30 milhões em propinas.

Savi, Paulo Taques, Roque Anildo e Kobori aguardam julgamento em instâncias superiores. Recursos semelhantes no Supremo Tribunal Federal (STF) e no Superior Tribunal de Justiça devem ser examinados nos próximo meses.

O irmão de Paulo Taques, Pedro Zamar Taques, também segue preso. Ele e o empresário Claudemir Pereira dos Santos não possuem recursos na pauta desta quinta-feira.

Os denunciados