25/07/2018 13:25

Quantidade de visualizações: 271

Marlenne Maria com Gilvan Melo

A condição traria inúmeros benefícios de acordo com o Secretário Municipal de Saúde, Itamar Martins Bonfim. O assunto foi discutido nesta semana em reunião aconteceu do COSEMS - Conselho dos Secretários Municipais de Saúde de dez municípios da região.

No encontro realizado em Tangará da Serra foi discutida a proposta do Ministério de Saúde que pretendia criar apenas três Macrorregiões no estado de Mato Grosso: Região Sul, Baixada Cuiabana e Região Norte.

O Conselho fez uma contraproposta visando criar seis macrorregiões de saúde, incluindo Araguaia, Cáceres e Tangará da Serra. “A nossa região continua sendo a Macro Região Médio Norte e englobaria Diamantino e Juína, proporcionando contingente de mais ou menos 500 mil habitantes. É um dos requisitos para o acatamento desta deliberação. Aqui aprovamos a proposta que acreditamos ser boa, porque aí teremos condições de buscar melhorias de alta complexidade, o que hoje não conseguimos realizar aqui na região”, explicou Itamar Martins.

Ele destaca que se houver aprovação, Tangará e região terão possibilidade também de buscar recursos para instalação de serviços nas áreas de oncologia e cardiologia. “Após este referendo da CIBE, que é a Comissão Inter gestora Bipartite aqui do Estado, que acontecerá em agosto, a proposta provavelmente se transformará em resolução e será encaminhada em nível federal para a Comissão Inter Gestora Tripartite, formada por Secretários Municipais, Estaduais e Técnicos do Ministério da Saúde”, explica o Secretário.

Itamar Martins ressaltou que está feliz com a aprovação da ideia na região. “O Prefeito Fábio já deu também o aval para que Tangará seja a sede desta Macro Região. Tivemos prefeitos da região como o Juvenal Alexandre de Nova Olímpia, também presentes. Foi uma discussão muito boa e já fizemos estes encaminhamentos para que futuramente possamos ser uma macrorregião de saúde. Isto implica em mais investimentos, mais condições para elaboração de projetos para buscar recursos lá fora, o tão cobrado hospital regional, entre outros. Agora é aguardar a apresentação do projeto e deliberação na CIBE e fazermos encaminhamentos para que num futuro bem próximo sejamos referendados como a Macro Região de Saúde”, finalizou.