12/07/2018 07:16

Quantidade de visualizações: 147

Rádio Pioneira com Gazeta Digital


Divulgação

Atualiazada às 17h08 - O vereador Calistro Lemes do Nascimento, o Jânio Calistro (PSD), conseguiu a liberdade próvisória nesta quarta-feira (11) após ser preso pelo porte ilegal de arma de fogo de uso restrito em Várzea Grande. A decisão, proferida pelo juiz Abel Balbino Guimaraes, da 4ª Vara Criminal de Várzea Grande, foi confirmada por Marcelle Ramires Pinto, advogada que faz a defesa do vereador.

O ex-presidente da Câmara Municipal foi preso em flagrante portando uma pistola .40, de uso exclusivo de policiais. Durante a madrugada, Jânio teve a prisão convertida em provisória pelo juiz plantonista Eduardo Calmon, do Fórum de Várzea Grande, e foi encaminhado ao Centro de Custódia de Cuiabá.

Porém a defesa conseguiu reverter a prisão em liberdade provisória sem que o vereador passassem por audiência de custódia. "Fizemos um pedido direto ao juiz de liberdade provisória e ele concedeu. Estamos aqui [no Fórum] para agilizar o alvará e retirar ele da prisão", relatou a advogada que ainda não tem detalhes sobre as possíveis medidas cautelares impostas.

Divulgação/Polícia Militar

Calistro estava em um bar no bairro Mapim jogando baralho quando foi abordado por policiais e revistado após uma denúncia de disparos na região. Dentro do carro do vereador foi encontrado a pistola .40. O vereador é policial aposentado e por isso não tem autorização para portar a pistola de uso restrito a agentes policiais que estão na ativa. Em seguida ele foi preso e conduzido à Central de Flagrantes.

De acordo com a decisão inicial, do juiz plantonista, que determinou a prisão provisória, o Ministério Público Estadual se manifestou pela liberdade provisória do vereador. No entanto, Eduardo Calmon além de salientar a preventiva como forma de manter a ordem social considerou também que a soltura poderia estimular a prática de novas infrações e ainda criar “sentimento de impunidade” na sociedade várzea-grandense.

Calmom ainda frisou sobre a possibilidade do ex-policial e atual vereador de Várzea Grande perder o cargo devido à condutar incompatível com o cargo e determinou a notificação à Câmara Municipal para que um processo administrativo seja instaurado e julgado pela Comissão de Ética, da qual Jânio Calistro é membro.