04/07/2018 08:12

Quantidade de visualizações: 269

Marlenne Maria com Gilvan Melo

O encontro foi realizado nesta terça-feira (03) no auditório da Prefeitura Municipal. Professora do Curso de Enfermagem da Unemat Juliana Benevenutto, explica que o objetivo do evento foi promover o encontro destas pessoas que fazem uso da bolsa coletora de ostomias e mostrar aos acadêmicos do curso, aspectos da vida destas pessoas.

Em Tangará da Serra há 17 pacientes cadastrados. Do encontro participaram, além destes pacientes, os acadêmicos do 6º semestre do curso de Enfermagem da Unemat.

A professora relatou em entrevista à Rádio Pioneira, que os pacientes ouvidos pelos acadêmicos têm muita experiência de vida para passar. “Nós, que somos da área acadêmica, estucamos o lado técnico desta experiência. Mas, a vivência que eles têm para passar par nós que somos profissionais da saúde é algo muito importante. Através de uma roda de conversa, levantamos alguns pontos a serem desenvolvidos, como a alimentação destas pessoas, as dificuldades encontradas depois da cirurgia para a colocação da colostomia, alguns aspectos como por exemplo a sexualidade, direitos sociais. Tudo isto foi discutido”, disse Juliana.

Após a roda de conversa, os presentes participaram de um coffee break. “Isto também foi importante, porque ajudou na socialização. Durante a roda de conversas, muitas situações foram levantadas, como por exemplo, o direito de receberem bolsas de qualidade. Estas pessoas também foram incentivadas a fazerem parte de uma associação que é a ABRASO - associação Brasileira de Ostomizados. Aqui em Mato Grosso temos a AMO, com sede em Cuiabá. É uma associação de pessoas que tem ostomias. E quando uma pessoa é associada à AMO, ela fica sabendo de eventos em nível nacional e pode inclusive adquirir uma carteirinha que chamamos de passe livre para que faça suas viagens dentro do estado gratuitamente. Se for uma passagem rodoviária interestadual, ela também tem um desconto. Estes são alguns dos direitos destas pessoas com ostomias”, explicou a Professora.

De acordo com Juliana, de modo geral, pessoas que tem ostomias, são consideradas pessoas com uma deficiência física, porque apesar de muitas pessoas com ostomias lidarem com afazeres do cotidiano de maneira muito natural, há algumas limitações, físicas e emocionais.

Ela destaca resultados positivos e significativos com o encontro. “As pessoas relataram muita satisfação por participarem do encontro e os acadêmicos da Unemat puderam compreender muitos aspectos da vivência destas pessoas, conhecimento este que muitas vezes não encontramos em livros e pesquisas”.

​Curso de Enfermagem da Unemat promove encontro de pessoas com ostomias em Tangará​Curso de Enfermagem da Unemat promove encontro de pessoas com ostomias em Tangará​Curso de Enfermagem da Unemat promove encontro de pessoas com ostomias em Tangará​Curso de Enfermagem da Unemat promove encontro de pessoas com ostomias em Tangará