09/06/2018 10:27

Quantidade de visualizações: 766

Paulo César Desidério com Gilvan Melo

Tangará da Serra registrou 13 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave, em decorrência de suspeita de gripe, causada pelo vírus Influenza e suas mutações. Um novo caso foi confirmado na última sexta-feira (08) pela Secretaria Municipal de Saúde, através do setor de vigilância epidemiológica. Este, evoluiu para cura. De acordo com a coordenadora do setor, Juliana Herrero, treze casos suspeitos do vírus já foram registrados. Oito deles ainda estão sendo investigados por meio de análise laboratorial.

“Desses treze casos, cinco já chegaram o exame, dois confirmando Influenza. Um por influenza B que foi o primeiro caso, que até pela evolução da paciente foi a óbito e a outra que houve evolução para cura e a confirmação foi por Influenza A. Três casos foram descartados. Então, nós ainda temos 8 casos em investigação”, afirmou Juliana, ao reforçar que a rede pública de saúde em Tangará da Serra recebeu as vacinas que faltavam por parte do Ministério da Saúde e Secretaria Estadual de Saúde. Aos que não fazem parte do grupo prioritário, a higiene é o principal recurso contra a contaminação.

“Gostaria de aproveitar e lembrar o grupo de risco que nós recebemos vacina, todas as unidades estão com vacina disponível para o grupo de risco. Fazer um apelo para as gestantes e para as crianças de cinco anos, para que procurem as unidades e façam a vacina até o dia 15, que é até a última prorrogação da campanha. Para as pessoas que não fazem parte do grupo de risco, lembrar que existem medidas de higiene para evitar a contaminação, principalmente agora, nesse período com esse frio que os vírus acabam se proliferando. A medida principal é a lavagem das mãos. Se nós tivéssemos o hábito de lavagem das mãos constantemente, íamos diminuir muito as contaminações e uma delas é o Influenza”, complementou.

O chamamento ainda segue para dois públicos-alvo do chamado grupo de risco. Gestantes e crianças que tenham entre 6 meses e 5 anos de idade.

“Nós já recebemos todas as doses que faltavam para atingir a nossa meta e agora só falta realmente que as pessoas que não vacinaram, procurem os postos e façam sua vacina. Sobre os treze casos, não é um surto, não é uma epidemia, são casos esperados todos os anos, mas é bom que as pessoas, principalmente as do grupo de risco, sejam vacinadas para que a gente não tenha complicações e óbitos por Influenza”, disse Juliana.