31/05/2018 08:18

Quantidade de visualizações: 463

Marlenne Maria com Gilvan Melo

Depois de um período longo de reclamações constantes em relação à suspensão da coleta de exames preventivos de câncer de colo de útero, os exames voltaram a ser feitos no início do mês.

A procura, entretanto, está muito abaixo do esperado segundo Gicelly Zanata, Coordenadora de Atenção Básica à Saúde no município. Como o volume de reclamações era grande, a equipe decidiu realizar um mini mutirão, atendendo no período noturno na Clínica da Família, localizada na Avenida Tancredo Neves.

Os exames preventivos [Papanicolau], estão sendo realizados em todas as unidades de saúde, mas a procura é muito pequena segundo Gicelly. “Os exames estão acontecendo em todas as unidades. Tivemos muitas reclamações porque não estavam sendo feitos os exames. Por isso o mini mutirão, mas a procura está muito pequena nas unidades. Fazemos este alerta: estamos colhendo estes exames preventivos e estamos encaminhando para a empresa que tem certificação junto ao Siscam, que é um sistema de rastreamento de câncer”, explica.

O exame é recomendado a todas as mulheres que tenham vida sexual ativa, com alerta para quem está na faixa entre 25 e 64 anos, considerada fase mais crítica. “ Podem procurar todas as unidades de saúde, mas se não puderem ir durante o dia, o horário da noite tem atendimento na Clínica da Família”, diz a coordenadora.

A sociedade brasileira de medicina orienta que seja feito pelo menos um exame a cada 3 anos pelas mulheres que tenham tido pelo menos 3 exames negativos. “É uma forma de prevenção, impedir a propagação de uma doença cujo tratamento é bem mais eficaz quando no início. Mas, todo o estresse, dificuldade, sofrimento físico e psicológico que passa uma pessoa que está com câncer e principalmente quanto mais tarde descoberto, pior o tratamento”, explica Gicelly.

Quem já teve câncer ou algum resultado alterado em exames, deve fazer acompanhamento constante. “Quando há alterações ou quem já teve o câncer também tem acompanhamento pelo SUS. “Nestes casos é feito na unidade do posto central. Descobrir antecipadamente algum problema vai dar uma qualidade de vida melhor para a mulher”, ressalta a coordenadora.