30/05/2018 08:06

Quantidade de visualizações: 199

Paulo César Desidério com Gilvan Melo

Foto: Ilustrativa

Após decreto do governador Pedro Taques (PSDB), publicado no último final de semana, escolas estaduais ficaram sem aulas na última segunda-feira (28). Ainda na segunda, a Secretaria Estadual de Educação, Esporte e Lazer (Seduc) determinou o retorno das aulas para a terça (29). Mesmo assim, em diversos municípios mato-grossenses a situação era de adversidade para a volta às aulas. Em Tangará da Serra, não foi diferente.

De acordo com o assessor pedagógico da Seduc no município, Saulo Scariote, nem todas as escolas estaduais da cidade conseguiram retornar, por conta dos problemas ocasionados pela greve dos caminhoneiros, que exigiam redução da carga tributária nos combustíveis. Transporte inviabilizado e falta de gás de cozinha para preparo para merenda foram os principais entraves.

“Como a paralisação dos caminhoneiros também afeta as unidades escolares. Nós ficamos paralisados somente na segunda-feira. Já na terça-feira, dia 29, as escolas foram autorizadas a voltar a sua normalidade. Mas, em virtude da falta de transporte, falta de gás de cozinha para fazer a merenda, nem todas as escolas puderam retornar”, disse Saulo.

O assessor frisou também que nenhuma escola do campo havia retornado até o dia de ontem e que todos os pais devem ficar atentos a respeito da situação.

“Os pais que que querem informação a respeito desse retorno ou não devem entrar em contato com a própria unidade, haja vista que ainda não temos parâmetro geral até o dia de hoje da situação de todas as escolas. Sei que a parte do pessoal do campo, nenhuma está funcionando. As outras escolas ontem haviam tentado o retorno, mas no dia de hoje, algumas já aventaram a possibilidade de retornar a paralisação. Vamos torcer para que esse período se acabe de forma célere, e retornamos nossas atividades normais a partir da semana que vem”, completou.

IFMT

Por meio de ordem administrativa publicada divulgada ontem, o campus de Tangará da Serra do Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT) também suspendeu as atividades.levando em conta o desabastecimento de combustível no município, que de acordo com o documento, “prejudica o deslocamento de servidores, estagiários, discentes”.

A medida suspende as atividades de ensino a partir das 18h00 de 29 de maio até às 23h00 do dia 01 de junho. A suspensão pode ser interrompida a qualquer momento, caso haja a normalização do abastecimento. A diretoria do campus informou nesta quarta-feira (30) que o expediente está normal apenas para atendimento ao público e serviços internos.

Unemat

A Universidade do Estado de Mato Grosso anunciou nesta terça-feira (29) que retornaria às aulas hoje (30). No entanto, como diversas cidades onde a instituição possui instalações ainda estão com falta de combustíveis, a reitoria optou por remarcar o retorno das atividades para a próxima segunda-feira (04 de junho).

Escolas Municipais

As escolas da rede municipal de ensino seguem sem aulas, após decreto de emergência publicado pelo prefeito Fábio Junqueira (MDB), também levando em conta o comprometimento dos serviços de transporte e a falta de gás de cozinha na cidade.