02/05/2018 09:09

Quantidade de visualizações: 4734

Paulo César Desidério com Gilvan Melo

Fotos: Gilvan Melo/ Rádio Pioneira

O Sindicato Rural de Tangará da Serra informou por meio de entrevista coletiva na manhã desta quarta-feira (02) que não será realizada a Exposição Agropecuária, Comercial e Industrial de Tangará da Serra (Exposerra) no ano de 2018. O anúncio foi feito por meio do presidente da instituição, Vanderlei Reck Junior, no Parque de Exposições.

“Essa foi uma decisão que tomamos ao longo de várias reuniões, bastante discutida, mas com muita cautela, devido às dificuldades que estamos tendo em função das burocracias impostas pela gestão municipal. É uma festa que nós fazemos por parte do Sindicato de forma voluntária, não visando fins de renda para o Sindicato, mas temos encontrado a cada ano que passa, maiores dificuldades para a realização da festa. Então, nós chegamos a um momento em que nós precisamos rediscutir o modelo e as responsabilidades da festa”, afirmou.

Os motivos para que não ocorra a tradicional festa promovida pelo Sindicato Rural, segundo Reck, são a alta carga tributária e a falta de apoio do poder público. Esta é a primeira vez que a festa não acontecerá. O evento é o maior dentre todos os que compõem o calendário tangaraense.

“Nós nunca fomos até o município para pedir ajuda financeira. Até porque entendemos que os recursos financeiros públicos deveriam ser investidos na saúde, na educação e na segurança. Mas, nós temos encontrado muitas dificuldades. A gente chega num ponto de ter que ficar minutos antes da festa com a nossa junta jurídica preparada para entrar com liminar para a gente conseguir ter o alvará de realização da festa”, explica o presidente.
Reck Junior declarou que há a necessidade de que seja rediscutida a organização da festa. O órgão realizador, Sindicato Rural, arca com todos os custos e realiza a Exposerra de forma voluntária, o que na opinião do presidente acaba sendo injusto. O presidente também apontou o que chamou de “clima desfavorável” como fator preponderante para que a feira não ocorra em 2018.

“Chegou o momento que nós temos que expor isso para a sociedade e rediscutir se a festa é importante para o município ou não. Se for importante para o município, nós do Sindicato Rural estamos abertos para sentar com a sociedade civil organizada, sentar com a gestão municipal e acharmos um ponto de equilíbrio para continuar realizando a Exposerra de uma forma mais leve. Porque não justifica nós como voluntários estarmos carregando esse peso sozinhos num clima muito desfavorável. Precisamos urgentemente abaixar a guarda e fazer com que as coisas comecem a acontecer em nossa cidade de uma forma proativa, de uma forma mais leve”, destacou.

O Sindicato Rural frisou que são várias as burocracias, mas que as taxações são os principais entraves.

“Ano passado nós fomos sentar com a gestão municipal para poder rediscutir o que poderia ser feito e ser facilitado por parte do município na realização da festa em 2017, quando nós achamos que tínhamos avançado nesse ponto, uma semana depois fomos surpreendidos quando o município entrou revendo as taxas da Exposerra 2012, 2013, 2014, cobrando da forma que achava que deveria, com juros e multas. Então, isso vai criando um passivo de muitas discussões jurídicas desnecessárias para o Sindicato Rural”, relatou Reck, ao reforçar que a festa só deverá voltar a acontecer mesmo com a rediscussão apenas no ano que vem.

“É uma festa muito grande que requer todo um planejamento, toda uma organização, há uma pré contratação dos shows, então tem que ter um tempo hábil. A gente acredita que não temos mais tempo para estarmos projetando, pelo tamanho da nossa festa. O nosso evento é muito grande, então nós precisamos sim repensar a festa para 2019, porque em 2018 está impossível a gente realizar diante de tanta burocracia”, colocou.
O presidente do Sindicato Rural lamentou o impacto que o cancelamento do evento gera no comércio do município, que em todos os anos recebe grande movimentação no período que antecede a festa.
“Todos nós perdemos. O Sindicato que vem organizando, que é o idealizador dessa feira há quase 40 anos, sempre fizemos ela pensando na população, pensando no comércio local. Para nós é muito triste vir anunciar que não faremos essa festa. Essa festa está no coração de cada um de nós, principalmente nós que organizamos, que nos dedicamos. Isso é como uma criança, como um filho nosso, vocês não imaginam o tanto que isso é doloroso para nós, mas nós não podemos desistir. A feira da Exposerra é um patrimônio da nossa cidade, um patrimônio de cada cidadão tangaraense. Acredito em Deus e tenho certeza que alguma coisa vai acontecer e nos próximos anos teremos condição de fazer a Exposerra continuar crescendo e continuar sendo uma festa popular para toda a nossa população”, concluiu.

A notícia pegou a população de surpresa e gerou enorme repercussão nas redes sociais. A assessoria do prefeito de Tangará da Serra, Fábio Martins Junqueira (MDB), comunicou que o gestor concederá entrevista coletiva à imprensa nesta quinta-feira, às 09h00 da manhã, na Sala de Reuniões da Prefeitura Municipal, para falar a respeito.

Sindicato Rural não realizará Exposerra em 2018 (atualizada)Sindicato Rural não realizará Exposerra em 2018 (atualizada)Sindicato Rural não realizará Exposerra em 2018 (atualizada)Sindicato Rural não realizará Exposerra em 2018 (atualizada)Sindicato Rural não realizará Exposerra em 2018 (atualizada)