20/04/2018 14:42

Quantidade de visualizações: 257

Paulo César Desidério com Gilvan Melo

O vereador Claudinho Frare (PSD) acompanhado do colega de partido, o presidente da Câmara Hélio da Nazaré, visitou o Assentamento Antônio Conselheiro na semana passada. Na oportunidade, os parlamentares visitaram as obras de uma ponte a qual atearam fogo no ano passado. Segundo Claudinho, a promessa do governo do estado foi de restaurar a ponte.

“Foi feito a construção de um bueiro celular no local de três vias. Uma excelente obra para aquela região, ficou de excelente qualidade, mas infelizmente a trafegabilidade ainda não voltou ao normal pelo fato de faltar o aterramento naquela estrada. Ainda falta o aterramento da parte de cima do bueiro celular para a estrada voltar a sua trafegabilidade normal, podendo os veículos transitarem naquele local em total segurança”, disse Claudinho, ao apontar que os carros e motocicletas que precisam passar pelo local estão trafegando por um desvio lateral.
“Nós aqui torcemos para que a empresa ganhadora dessa licitação volte nesse local e faça o término dessa importante obra para a região do Antônio Conselheiro”, completou.

Claudinho e Hélio também fiscalizaram o asfalto, outra promessa feita pelo governo do estado para a região. Claudinho lembra que a promessa foi feita em uma reunião no auditório da Associação Comercial e Empresarial de Tangará da Serra (Acits), junto com a promessa de implantação da Zona de Processamento de Exportação (ZPE) em Cáceres. Nenhuma das dois foram cumpridas até então.

“O asfalto foi prometido para o Antônio Conselheiro através da MT-339, que seria pouco mais de 100 quilômetros. Nós tangaraenses mais uma vez ficamos aqui na esperança que isso acontecesse, pensando na melhor qualidade de vida da nossa cidade, no crescimento de nossa região e no desenvolvimento de Tangará da Serra. Mais uma vez ficamos só na esperança, mais uma vez o governo nos prometeu e não cumpriu. Promessa essa de mais de 100 quilômetros que caiu para 20 quilômetros do Assentamento Antônio Conselheiro”, lamentou Frare, ao criticar a redução.

“Nós verificamos e foi feito 2,7 quilômetros dos 20 prometidos pelo governo do estado e a empresa abandonou a obra por motivo de pagamento, pelo não repasse do governo. O governo não pagou a empresa ganhadora da licitação e infelizmente a empresa retirou as máquinas daquele local, paralisando novamente a obra de asfaltamento Antônio Conselheiro na MT-339, deixando a nós tristeza aos moradores do município, da região, à nossa cidade que poderia estar gerando desenvolvimento através desse asfalto tão sonhado pela população de Tangará da Serra e daquele assentamento”, finalizou.