13/04/2018 13:46

Quantidade de visualizações: 283

Rádio Pioneira com Gazeta Digital


Marcus Vaillant

Foto das eleições de 2010

O ex-prefeito de Lucas do Rio Verde, Otaviano Pivetta (PDT), criticou a postura do governador Pedro Taques (PSDB) à frente da administração do Estado e afirmou que Taques só pensa em si mesmo e não em um projeto para Mato Grosso. Segundo Pivetta, o Estado estaria sofrendo com “prejuízos” causados pela má gestão.

Divulgação

'Taques é um depósito de ego', dispara Pivetta

Pivetta foi o coordenador da campanha vitoriosa de Taques em 2014. Ele, contudo, diz que não há nada para comemorar e, por este motivo, articula junto aos partidos de oposição uma candidatura contrária ao projeto de reeleição de Taques. Articulam uma candidatura de oposição os partidos DEM, PP, Pros, PSD, PDT, PRB, PCdo B, PTB, PHS.

Leia mais - Frustrados com a gestão Taques, 9 partidos se reúnem por projeto de oposição

“Taques gasta mal o dinheiro publico, os resultados são pífios, os serviços essenciais de educação e saúde não melhoraram no governo dele. Mato Grosso continua na rabeira do Brasil na qualidade de educação. O mandato foi nulo. O povo teve muito prejuízo”, disse o ex-prefeito em entrevista ao Jornal do Meio Dia da TV Vila Real.

O problema da gestão Taques, segundo Pivetta, não foi apenas a crise financeira que afetou o Estado, mas as más escolhas feitas pelo governador e principalmente “a pessoa que Taques se tornou” tão logo assumiu o Governo do Estado.

“Ele só pensa nele. Ele é um depósito de ego. O que ele tem na barriga dele é uma bola de ego e ele não consegue administrar isso. Ele se tornou um estranho para todos nós. Não fomos nós que mudamos. Se você perceber, os partidos que estão se juntando são os mesmos que estavam na base dele - e não é porque estão contrariados”, disse.

Marcus Vaillant

Taques é acusado de assistencialismo

Ainda segundo Pivetta, o governador se tornou uma “pessoa autoritária” que evitou diálogos ao longo de sua administração – ação necessária para o chefe do Poder Executivo.

“Taques gosta de falar com as pessoas que concordam com ele. Se não concordasse com ele era persona non grata. Falo com pesar, pois fui um dos que ajudaram a carregar ele de lado a lado deste Estado”.

Pivetta aproveitou ainda para criticar nas entrelinhas a Caravana da Transformação, evento que oferece serviços, atendimento médico e até cirurgias de visão aos mato-grossenses. Para ele, a medida não passa de uma campanha de assistencialismo sem foco nos resultados e melhoria do Estado.

“Quem gosta de campanha é o Pedro Taques. Ele só faz isso. Faz a vida inteira campanha. Esse assistencialismo. Esse sistema bolivariano que está trazendo para Mato Grosso, que está desgraçando com o Estado. Ele faz campanha pensando que está em uma Olimpíada, não pensa na sociedade, nos resultados, no prejuízo que esta dando para o Estado”, disse.

Além de criticar Taques, Pivetta também se defendeu das acusações do governador, de que não fez uma boa gestão enquanto prefeito de Lucas do Rio Verde e, por isso, não foi eleito em 2016. “Encarei a derrota como uma dispensa. Feio não é perder. É você ganhar e não honrar os compromissos, que é o que ele está fazendo. Isso é feio”, encerrou.

Assista a entrevista no vídeo abaixo