13/04/2018 13:09

Quantidade de visualizações: 1234

Paulo César Desidério com Asis Wébio

O vereador Wilson Verta (PSDB) fez uma denúncia na tribuna da Câmara Municipal durante a sessão da última terça-feira (11). Aos demais colegas presentes no plenário Daniel Lopes da Silva, Verta declarou que foi informado de que há um médico atuando na saúde pública em Tangará da Serra sem possuir registro no Conselho Regional de Medicina (CRM).
“Essa denúncia eu recebi de várias pessoas e me municiei de documentos no portal da transparência da prefeitura. Ele é um médico, foi contratado pela secretaria municipal [de saúde] no dia 05 de março de 2018 no cargo de médico ortopedista. Pelas denúncias que recebi depois fui checar no portal do CRM e constatei que o médico realmente a especialidade dele não está registrada e o doutor está usando um CRM de quando veio aqui em Mato Grosso anos atrás e foi transferido”, afirmou em entrevista à Pioneira.

Ainda segundo o parlamentar, o ortopedista passou por outros três unidades federativas pelo país. A transferência é considerada legal, mas é preciso ser feito cadastro junto ao CRM do estado em que o profissional irá se transferir.
“Há inscrições de outros estados. Ele veio de Minas Gerais, depois para Mato Grosso, depois Rio de Janeiro e agora está com o registro do CRM dele em Sergipe. Então, foi constatado junto ao Conselho Regional de Medicina que a prefeitura, a secretaria de saúde contratou no cargo um médico que não está com o CRM regular em Mato Grosso”, acrescentou.
Wilson Verta encaminhou o caso encaminhado à Mesa Diretora da Câmara Municipal de Tangará da Serra e à Prefeitura Municipal para que sejam tomadas providências.
“A denúncia que recebi procede, por isso que requeri junto à mesa diretora (...). A denúncia narra que ele está registrado no CRM-MT e não tem registro de ortopedista. Inclusive, usa o carimbo na situação de ortopedista. Assim, estou requerendo que seja oficiado o município, para que remeta a titulação, a posse, o cargo e todos os atos de nomeação desse médico à Câmara Municipal”, disse.
O vereador tucano é odontologista. Para exemplificar a necessidade de registro no CRM, Verta deu o próprio exemplo, ao lembrar de quando precisou se transferir de São Paulo para Tangará nos anos 90.
“Todos os Conselhos quando você muda de estado, tem que regularizar. Eu vim a 25 anos atrás com CRO de São Paulo e transferi. Você pode até ter um CRO, CRM enfim, provisório, porém, você tem que ter e ser registrado com o CRM provisório, tem que estar regular com o conselho”, explicou, ao pontuar que não está questionando a qualidade do profissional, mas sim fazendo sua função de fiscalizar.
“O que me deixa atento é que ele foi contratado como médico ortopedista e mesmo naquela época, ele não apresentou essa especialidade, essa titularidade de ortopedista. Não estou contestando a qualidade do médico, não é isso. Como recebi essa denúncia, na minha função institucional de fiscalização que é vereador, tenho que apurar os fatos e esses fatos estão sendo apurados”, finaliza.