12/04/2018 13:32

Quantidade de visualizações: 406

Marlenne Maria com Asis Wébio

Foto: reprodução.

Em sua fala na Tribuna da Câmara nesta semana, o vereador foi incisivo em críticas ao trabalho, ou o que denominou como a falta deste, por parte de três secretários municipais.

O termo “secretarias vazias” foi utilizado pelo vereador em críticas direcionadas a duas pastas municipais: a de Indústria e Comércio e a de Turismo. Em relação ao Turismo, o vereador afirmou que “ninguém sabe para que existe”. “Com certeza é para pagar salários de alguém que deveria exercer atividades para gerar empregos e renda e, no entanto, não vemos nenhuma ação destas secretarias. Deveria diminuir, juntar as duas em uma só para reduzir os gastos porque as ações não existem mesmo”, disse.

A Secretaria de Esportes também foi alvo das críticas do vereador. “Poderia transformar em um Departamento de Esportes da Secretaria de Educação. Teria mais recurso se tivesse alguém habilidoso para trabalhar porque não estamos vendo nenhuma ação interessante em favor do esporte em nosso município. Não vemos nenhum grande campeonato em qualquer modalidade esportiva. Estamos carentes de ações em prol do esportista de Tangará da Serra. Isso está gerando despesas e prejuízos”, afirmou.

Ele também foi direto no que denominou como “um recado aos secretários”: “ouçam os vereadores porque estes estão junto com o povo e ajudam a gestão, não só na aprovação de leis e fiscalização, mas também com as indicações visam que o governo atenda os anseios da população”.

O vereador também criticou o Executivo Municipal, afirmando que algumas regiões de Tangará da Serra são discriminadas no atendimento, mesma situação vivida pelo município junto ao Governo do Estado no seu entendimento. “Estamos fazendo cobranças do Executivo tanto do município, quanto do Estado. Nós pagamos caro e padecemos pela ausência de ações do Estado em prol de nossa população. Vemos isto na saúde, na educação, nas MTs como a 358 que há muito tempo não tinha poeira ou atoleiros e estamos vendo isto agora. Na 339 o asfalto não anda. E fiz uma comparação com algumas regiões como a Vila Esmeralda, regiões rurais como o Condomínio Uberaba e Gleba Triângulo, que não são atendidas pelo Prefeito. É como se fossem para o nosso Prefeito estas regiões, como é Tangará para o Governo do Estado”.

Ele destacou em especial a situação da pavimentação asfáltica no Jardim Presidente. “Em 2002 a região do Jardim Presidente foi completamente asfaltada e hoje está só buracos. Estamos na iminência de perder a base daquele asfaltamento e isso vai gerar prejuízo muito grande. Isto é graças à ausência do Prefeito naquela região. Talvez seja o fato de não exercer controle sobre este vereador. Eu sou livre e exerço meu voto de acordo com minha vontade e daqueles que me deram o crédito”, afirmou.