23/03/2018 14:29

Quantidade de visualizações: 378

Marlenne Maria com Gilvan Melo

A semana foi dedicada à síndrome em 193 países membros da ONU - Organização das Nações Unidas. Em Tangará da Serra, a data tem significado especial para a Escola Especial Raio de Sol, que atende entre seus 253 alunos, 27 portadores da síndrome.

Em entrevista à Rádio Pioneira, a Professora Adylene Bastos, Diretora da Escola, explicou que o dia 21 de março foi escolhido como o Dia da Síndrome, em alusão aos três cromossomos no par 21, característico nas pessoas com a síndrome.

Ela ressaltou que entre os 27 alunos com síndrome de Down atendidos pela escola, há desde bebês até pessoas na fase adulta. “Sempre dizemos que o que nos faz especial, são exatamente as nossas diferenças. Nenhum ser humano é igual a outro. Todos somos diferentes. E a síndrome de Down é a mesma coisa. Eles são alunos especiais, cada um com características próprias. Alguns desenvolvem mais rapidamente outros tem retardamento maior. Mas eles estão inseridos em todas as nossas atividades”, explica Adylene.

Ela ressalta que pessoas com síndrome de Down são felizes, comprometidas e responsáveis. “E nós fazemos questão de orientar as famílias também para dar continuidade ao trabalho que fazemos aqui. Hoje a escola visa a melhor qualidade de vida”, disse.

A escola Raio de Sol oferece atendimento que contempla a área educacional, envolvendo a parte pedagógica, psicopedagógica, educação física e informática, e também a área artística onde eles se desenvolvem muito, segundo a diretora. “Eles gostam de dançar, cantar e encenar e temos trabalhado com eles semanalmente neste aspecto. Temos inclusive um projeto aprovado pela Prefeitura através do Conselho e estamos só aguardando o recurso em conta para começar a atuar com aulas de música. Eles poderão aprender a tocar teclado, violão e percussão. Para estes alunos com síndrome de Down é importante, porque temos aqui a fanfarra, com o projeto superação, que também soma ao conhecimento e capacidades que eles já vêm desenvolvendo”.

Na instituição, os alunos contam também com centro de reabilitação, com atividades de fisioterapia que auxiliam na condição motora, cognitiva e de habilidades linguísticas, com uma equipe multidisciplinar. “Temos fonoaudiólogos e psicólogo e temos também a equoterapia e a hidroginástica. Temos objetivos grandes para nossos alunos especiais e com a síndrome de Down não é diferente. Eles nos mostram progresso a cada dia em seu desenvolvimento”, ressalta Adylene.

Preconceito

A Diretora da instituição explica que embora nos últimos anos tenham havido avanços quanto à redução da discriminação e preconceito, ainda há muito que melhorar. “Convivemos com realidade que começa dentro da própria família. Até no momento do nascimento da criança. Há abandonos por parte do pai e às vezes até por parte da mãe, que acaba deixando com a avó ou com o pai. Felizmente melhorou muito, mas ainda temos muito e a sociedade tem que abrir os olhos porque todos somos filhos de Deus e estamos de passagem por aqui, independente da forma que somos”.

Ela aproveitou a semana de comemoração da Síndrome de Down para estender um convite à comunidade, para que visite a Escola. “Todos somos seres humanos. Venham nos visitar. Aqui trabalhamos também a inclusão na rede de ensino regular, com toda a preparação. Oportunizamos também inserção no mercado de trabalho, porque eles tem capacidade e são pessoas muito comprometidas. Vamos valorizar o ser humano, independente ter síndrome de Down ou não, porque todos somos diferentes”.

Semana marcou comemoração da Síndrome de Down na Escola Raio de Sol