13/03/2018 07:11

Quantidade de visualizações: 437

Paulo César Desidério - Redação Pioneira

Foto: Arquivo Pioneira

A 10ª subseção da OAB de Tangará da Serra, representada pelo presidente Kleiton Carvalho manifesta preocupação com a atual estrutura do Centro Integrado de Segurança e Cidadania de Tangará da Serra (CISC). A entidade inclusive conta com sala de atendimento anexa ao prédio por meio de parceria com a Polícia Judiciária Civil. No entanto, as péssimas condições do prédio tem sido um problema sério enfrentado por todos que lá trabalham.

“Não obstante isso, é sabido de longa data que o prédio já abrigou no passado o fórum da comarca de Tangará da Serra. Hoje nossa cidade cresceu muito, tanto é que o novo fórum já está em fase de ampliação por conta do aumento da demanda, já o CISC pelo contrário, passa por dificuldades de estrutura, rede elétrica, rede sanitária. A insalubridade existente naquele local tanto para quem trabalha, delegados, escrivães, agentes, as pessoas que para ali são conduzidas, é um ambiente totalmente inapropriado para o exercício de um trabalho tão importante realizado pela Polícia Civil”, afirmou o presidente, que reforçou tal importância por meio das operações desenvolvidas pela equipe de investigadores, de enfrentamento direto tráfico de entorpecentes e combate ao crime organizado no município.

“Esses servidores que ali trabalham precisam de um lugar melhor para exercer a sua profissão, se assim fosse os resultados seriam melhores do que hoje a polícia exemplarmente desenvolve. Parabenizamos toda a polícia, todos os delegados, todos os escrivães, todos os agentes pela eficácia que eles vem tendo no trabalho deles, mesmo sem ter o mínimo de estrutura possível para exercer a sua profissão”, disse.

No último dia 26 de fevereiro, uma forte chuva caiu sobre o município causando pontos de alagamento em ruas e inclusive em locais públicos. A delegacia foi um dos locais que não escaparam dos transtornos, mais um fato que na opinião de Kleiton, evidencia as péssimas condições do prédio que também sofre com a falta de espaço.

“Recentemente houve uma chuva aqui na cidade, uma chuva torrencial e a delegacia ficou alagada. Então é realmente complicado. Quem passa ali pela frente vê que os carros e objetos apreendidos de crimes estão ali. Aquilo ali parece um ferro velho no centro de Tangará da Serra, ao lado da rotatória central. Isso é feio, isso é absurdo, isso é ruim, em épocas de chuva isso pode trazer doenças”, complementou.

Por fim, o presidente da OAB Tangará reforçou que a demanda das polícias civil e militar precisa ser atendida o quanto antes.

“Precisamos urgentemente de uma nova estrutura e a OAB é solidária nesse pleito da Polícia Judiciária Civil, assim como da Polícia Militar que ali também exerce suas funções de segurança pública e queremos, lado a lado, buscar um resultado mais rápido e eficaz com relação a essa obra. Então, fica aqui a solidariedade expressa da 10ª Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil – Tangará da Serra, preocupada com a estrutura de trabalho da Polícia Civil”, finalizou.