05/03/2018 07:11

Quantidade de visualizações: 311

Paulo César Desidério com Asis Wébio

Em entrevista à Pioneira, o vereador Wilson Verta (PSDB) falou sobre um assunto que classificou como preocupante. De acordo com ele, seu gabinete tem recebido reclamações em relação a Unidade de Saúde da Família (USF) da Vila Goiás.

“Fui in loco fiscalizar, averiguar veracidade e lá constatei muitos problemas, inclusive com relação a saúde pública e a saúde do funcionário público. Lá constatei fezes de morcegos que caem, serviços gerais [funcionários] todo dia tem que estar coletando. Muitas rachaduras, muitas infiltrações, portas enferrujadas, sala de medicamento com várias outras coisas, sala de almoxarifado apertado sem condições, sala de dentista com rachaduras (...)”, apontou o vereador, ao afirmar que são situações que lhe preocupam.

O vereador fez indicação junto ao poder executivo para que seja feita uma reforma geral, com readequação nos padrões da acessibilidade, incluindo rampas para idosos e cadeirantes.
“As condições daquele posto realmente não dá para ser uma Unidade de Saúde da Família. A fossa está trazendo problemas para a unidade, ela traz mal cheiro. Foi constatado ratos ao redor, grade quebrada, perfurada, enfim, precisa ter uma geral naquele posto, realmente sem condições para a população ser atendida. A população tem todo o direito de reclamar e todo o direito de exigir melhores, principalmente porque todos nós pagamos impostos”, disse Verta, que classificou a situação como grave.

“Peço a atenção do prefeito, do secretário de saúde para que as providências sejam urgentes. Não é possível crianças serem atendidas lá, os funcionários estarem naquela situação insalubre. Então, peço atenção especial para nossa saúde pública. Realmente é preocupante.”, acrescentou.

Por fim, o parlamentar tucano tocou na questão orçamentária. Para Verta, a aplicabilidade dos valores destinados à saúde deve sanar problemas enfrentados em demais setores cuja responsabilidade compete a administração pública do município.

“Tem R$ 18 milhões na conta somente da saúde, o relatório fiscal geral no final do ano já constatou que a prefeitura tem R$ 50 milhões em caixa, e eu quero saber qual vai ser o destino disso. A população está precisando, medicamentos faltando, lá no Joaquim do Boche não existe saúde, área rural está abandonada, então está na hora de exigirmos e tomarmos providências”, cobrou.

Wilson Verta faz indicação de reforma da USF da Vila Goiás