26/02/2018 07:28

Quantidade de visualizações: 373

Rádio Pioneira com Assessoria

Fotos: assessoria

Quase 900 inscritos e um público ao redor de 1.200 pessoas. Visitas a estações para conhecimento de novas cultivares, ensaios e produtos de empresas expositoras. Palestras sobre plantas daninhas, cobertura de solo e análise da safra de soja 2017/2018. Este foi o conteúdo da 9ª Jornada Técnica, promovida pela Agrodinâmica Pesquisa e Consultoria na última sexta-feira (23), na estação experimental da empresa, em Deciolândia.

Composto por produtores, profissionais técnicos, estudantes e empresas do setor, o público chegou cedo para credenciamento. Logo em seguida, começaram as visitas a seis estações de campo com apresentação de cultivares, produtos de empresas e ensaios sobre ferrugem asiática e mancha-alvo. Na sequência, três palestras abordaram questões técnicas e analíticas da sojicultora regional.

Invasoras

A primeira palestra versou sobre “Desafios no Manejo de Plantas de Difícil Controle”, com o agrônomo e pesquisador da Embrapa Soja de Londrina (PR), Fernando Storniolo Adegas. Ele destacou que o combate a plantas daninhas situa-se entre os três maiores gastos da lavoura, já que a resistência das plantas invasoras (leiteira, picão e caruru na convencional; amargoso, buva e pé-de-galinha nas RR) e a perda de eficiência de herbicidas como o Glifosato ampliam o impacto econômico sobre a lavoura. Quanto a isso, estudos da Embrapa apontam para uma majoração superior a 200% nos custos da soja. “São situações alarmantes e percebemos que os produtores querem soluções urgentes”, observou Fernando Adegas.

Como prevenção, o pesquisador recomendou a aquisição de sementes livres de infestantes, limpeza de máquinas e equipamentos, manutenção de beiras de estradas e carreadores, realização de capinas e roçadas, além do uso de herbicidas de diferentes tipos de ação com sistemas de controle variáveis.

Solo

Sob o tema “Construção de Perfil de Solo em Sistema Plantio Direto”, a segunda palestra foi ministrada pelo agrônomo e mestre da Universidade Estadual de Ponta Grossa (PR), Eduardo Caires. O cenário que se apresenta na região de Tangará e Chapadão dos Parecis inclui solos de composições argilosa e arenosa e, também, duas estações climáticas fortemente distintas, com períodos seco e de águas. Enquanto nas águas a entrada de máquinas na lavoura para colheita representa agressão e compactação do solo, no período seco as plantas sofrem com o estresse hídrico, num solo duro e de baixa retenção de umidade.

Para melhorar tais situações, Caires aponta para a conveniência de melhores coberturas de solo, diversificação e rotação de culturas e incorporação de doses adequadas de gesso agrícola (CaSO4.2H20) e calcário. “Estas práticas proporcionam mais retenção de umidade na estiagem e melhor infiltração de água no solo na época chuvosa. O resultado é um melhor enraizamento e maior absorção de água principalmente nos períodos de déficit hídrico, refletindo diretamente na produtividade”, explicou.

Safra

Apesar dos problemas com plantas daninhas, pragas e doenças, os produtores comemoram resultados positivos na produção de soja. Ao final da 9ª Jornada Técnica, o engenheiro agrônomo e diretor-proprietário da Agrodinâmica, Valtemir José Carlin, levou todos a uma reflexão com a palestra “Avaliação da Safra 2017/2018: Desafios e Resultados”.

Para Valtemir, a pesquisa foi fundamental para a obtenção, nos últimos cinco anos, de variedades com aumento de produtividade e maior resistência a doenças e pragas. A adoção de variedades de plantas com menor porte, menor envergadura foliar e maior engalhamento tem representado melhores rendimentos e produtividades que chegam a 80 sacas/hectare, apesar de ameaças como ferrugem asiática, mancha-alvo, nematoide, lagartas e percevejos.

O agrônomo comemora em 2018 o 20º aniversário de fundação de sua empresa e aposta na somatória pesquisa/experimentos, no diálogo e na consultoria junto ao produtor rural, assim como o constante acompanhamento da lavoura. “Os resultados que conquistamos nessa safra mostram que estamos no caminho certo. O setor produtivo sempre quer mais, e o nosso papel é superar dificuldades e obter o êxito esperado pelos produtores”, finalizou.

Visitas a campo, custos, manejo e resultados foram destaque na Jornada TécnicaVisitas a campo, custos, manejo e resultados foram destaque na Jornada TécnicaVisitas a campo, custos, manejo e resultados foram destaque na Jornada TécnicaVisitas a campo, custos, manejo e resultados foram destaque na Jornada TécnicaVisitas a campo, custos, manejo e resultados foram destaque na Jornada TécnicaVisitas a campo, custos, manejo e resultados foram destaque na Jornada TécnicaVisitas a campo, custos, manejo e resultados foram destaque na Jornada Técnica