17/01/2018 07:16

Quantidade de visualizações: 678

Rádio Pioneira com RD News

.FS Bioenergia, em Lucas do Rio Verde, é única usina do país que faz etanol de milho exclusivamente a partir do cereal

O projeto da construção de uma usina de etanol de milho em Nova Marilândia (a 261 km de Cuiabá) recebeu no início deste mês a aprovação de consulta prévia de financiamento de R$ 230 milhões do Colegiado da Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam). Essa foi a terceira aprovação que o plano recebeu. O próximo passo é buscar a liberação dos recursos pelos bancos públicos.

A ideia da construção da planta está sendo planejada pela Alcooad Indústria de Etanol, uma cooperativa que reúne 15 produtores rurais de Tangará da Serra (a 242 da Capital). O empreendimento, que deverá ser instalado no Distrito de Deciolândia - uma área localizada entre Tangará, Nova Marilândia e Diamantino -, está orçado entre R$ 380 milhões e R$ 400 milhões e poderá gerar até 130 empregos diretos.

Os empresários seguem dando andamento à ideia sem muito alarde por causa da burocracia envolvida em todo o processo. O cálculo é que a autorização dos empréstimos de alguma instituição deve demorar entre seis e nove meses, pelo menos. Por causa disso, a expectativa é que as obras da usina comecem – no mais tardar – somente no início de 2019.

Os bancos públicos, que exigem diversas garantias sobre a viabilidade financeira do projeto, ou seja, se ele dará lucro e não somente prejuízos, financiarão no máximo 80% da construção. O restante deverá ser conseguido através de um dos outros financiamentos que foram chancelados previamente.

Além da Sudam – que investiria o dinheiro através do Fundo de Desenvolvimento da Amazônia (FDA) -, o Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) e a Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco) foram os outros órgãos que deram o sinal verde para o investimento junto a uma instituição bancária.

Paralelo a esse processo financeiro, as licenças ambientais também já estão sendo protocoladas. Os produtores rurais deram início em 2016, sendo que nesse começo a ideia estava sendo tocada adiante pela Biopar, uma empresa de produção de biodiesel localizada em Nova Marilândia.

O objetivo inicial da planta é atuar na industrialização de milho para produção de etanol anidro e hidratado, farelos com altos teores de fibra e proteína, óleo bruto e ainda energia elétrica.

Indústrias

Mato Grosso é pioneiro no país em produção de etanol a partir exclusivamente do milho. Atualmente o estado possui a única usina do país que produz o combustível exclusivamente a partir do cereal. A FS Bioenergia, em Lucas do Rio Verde (a 332 km de Cuiabá), foi a primeira do país do tipo e em sua inauguração, em 11 de agosto, contou com a presença do presidente Michel Temer (MDB).

A FS Bioenergia - que custou cerca de R$ 450 milhões - surgiu após joint venture entre a empresa Fiagril, do empresário e ex-prefeito de Lucas, Marino Franz, e do grupo americano Summit. De acordo com o próprio empreendimento, a capacidade inicial da planta é de produzir 240 milhões de litros de etanol por ano, sendo que a unidade ainda produz anualmente 186 mil toneladas de farelo de milho, além de 7 mil toneladas de óleo de milho.

Outro projeto de usina de etanol de milho está em andamento no estado. A Industria Paraguaya Alcoholes S.A. (Inpasa) é responsável pelo andamento da planta que será instalada em Sinop, cujo investimento inicial está previsto em R$ 500 milhões. A expectativa é gerar mais de 3 mil empregos diretos e indiretos na região. Porém, o início das obras foi adiado. Os trabalhos estavam previstos para começar no início desse mês, mas por causa de questões burocráticas devem começar somente em abril.