12/01/2018 08:05

Quantidade de visualizações: 734

Rádio Pioneira com Gazeta Digital

Delegado Christian conduz inquérito do caso

Reviravolta no caso do carro que capotou na madrugada desta quinta-feira (11), na Policlínica do Planalto, em Cuiabá, matando 1 idoso e ferindo 2 pacientes, que estavam na fila, aguardando atendimento.

Inicialmente a Delegacia Especializada de Delitos de Trânsito (Deletran) trabalhava com a hipótese de que o dono do carro, Anderson da Silva Amorin, é que estava ao volante. Mas, após um dia todo apurando os fatos, equipe de investigação da Deletran concluiu que o travesti é que estava dirigindo.

“Prestou depoimento e confessou”, revela o delegado titular da Deletran Christian Cabral, responsável pelo inquérito.

O nome oficial do travesti é Igor Gomes Mulato, 19. Quando a PM chegou à ocorrência, logo após o capotamento, ela e a irmã, Yasmin Mulato Xavier, 20, eram as únicas no local do crime. Anderson, namorado de Yasmin e que estava de passageiro, e um amigo fugiram. Anderson é ex-detento.

Gazeta Digital

Kia capotou atingindo e matando idoso, que estava na porta da Policlínica do Planalto, aguardando atendimento

O travesti e a irmã chegaram a ser detidas e encaminhadas à Central de Flagrantes, mas foram liberadas em seguida, alegando que nem conheciam o condutor e o amigo dele e que pegaram apenas carona com eles. Mentiram, portanto, na primeira versão, é o que informa o delegado Cabral.

A informação é a de que o grupo saiu de uma tabacaria próxima ao local do acidente onde beberam cerveja a noite toda e, na avenida Missionário Gunnar Vingren, o carro Kia preto, placa DAP-4590, capotou. Isso era por volta das 5h50 da madrugada. O idoso Benedito Castravechi, 66, foi atingido em cheio. Morreu atropelado. Os outros 2 pacientes tiveram escoriações e escaparam por pouco.

O delegado Christian Cabral afirma que testemunhas viram o travesti bebendo ao menos 2 cervejas. "Requisitamos exame de alcoolemia, que é um exame de sangue", explica.

Se a embriaguez se confirmar, no andamento do inquérito, Igor pode ser indiciado por homicídio doloso, ou seja, intencional.