11/01/2018 14:26

Quantidade de visualizações: 573

Aline Schwaab com Gilvan Melo

Fotos: Gilvan Melo/ Rádio Pioneira

A reunião foi realizada na sede do Consórcio Intermunicipal de Saúde em Tangará da Serra e contou com integrantes da Secretaria Municipal de Saúde, Secretaria Estadual de Saúde e Consórcio Intermunicipal de Saúde.

Conforme o Secretário de Saúde Itamar Martins Bonfim, será de responsabilidade do município realizar o monitoramento dos leitos de UTI em Tangará da Serra.

“Essa demanda a gente já vem trabalhando há algum tempo. Antes do natal nós estivemos juntamente com o prefeito na secretaria de estado de saúde finalizando essas conversações. Ontem (10) tivemos a oportunidade de receber aqui a Secretária Executiva da SES mais superintendentes e a Dra. Adilza que também é uma pessoa intensivista e trabalha especificamente com UTI. Então, a partir da competência de novembro nós estaremos assumindo essa responsabilidade de gerenciar, de fazer um controle e monitoramento dos leitos de UTI em Tangará da Serra. A nossa equipe fará esse controle, não teremos como fazer a regulação que continuará por conta do Estado. Continuaremos recebendo pessoas de todo o Estado de Mato Grosso, mas essa é uma regulação do Estado”, disse.

Bonfim explicou que diariamente a equipe vai entrar nos hospitais e verificar os leitos para ver se realmente o paciente se encontra internado.

“Após isso a gente emite um relatório, solicita uma nota fiscal dessas empresas e o Estado repassa esse recurso para a conta da Prefeitura Municipal e nós seremos os responsáveis por esses pagamentos. Então, tem condições de melhorar porque teremos condições de realmente saber se aquela pessoa precisa estar ou não na UTI. Eu vejo como um ganho muito grande para toda a região e não só para Tangará da Serra”, afirmou.

Esse processo visa diminuir o encaminhamento de pacientes que necessitam de cirurgias gerais à Capital.

“Outro fato importante é, por exemplo, a pessoa está internada na UTI e ela precisa fazer uma cirurgia geral ou uma cirurgia mais simples que aqui não estava fazendo porque as são habilitadas junto ao Ministério da Saúde, e ontem foi dado um prazo de 180 dias para que essas UTI se habilitem junto ao Ministério da Saúde para que a gente possa fazer esse pagamento da cirurgia pela IEH que não acontece hoje, por isso vai muita gente para Cuiabá por conta de não ter essa habilitação. Aí a gente vai associar o valor da diária que hoje está em 1,3 mil reais mais todos os procedimentos da cirurgia, medicamentos e leitos, tudo isso será pago através de uma IEH, então além do repasse mensal que é dos leitos nós ainda teremos esse financiamento das IEH, é mais um recurso que vem inserido dentro do nosso município. É uma notícia muita boa e o importante também é que a nossa equipe terá como diariamente entrar dentro desses hospitais para saber quem é que está internado e quem não deveria estar, é um ganho muito grande para a nossa região. Agora vamos traçar essas diretrizes para 2018”, destacou.

A Secretária Executiva da Secretaria Estadual de Saúde (SES/MT), Fátima Ticianel, destacou a importância desse processo. “Ontem nós estivemos com a nossa equipe gestora da SES reunidos com o prefeito e também com o secretário de saúde Itamar, dando continuidade a um processo de descentralização da gestão de serviços, principalmente das UTIs que são de responsabilidade da SES e o nosso projeto é passar a responsabilidade e o financiamento para o município. Na sequência nós também vamos fazer na Clínica de Hemodiálise, o recurso passa a ser de responsabilidade, de gerência do município de Tangará e isso é importante porque diminui o fluxo burocrático e facilita o controle de avaliação também”.

Conforme a Secretária, foi assinada uma portaria onde o Governador assumiu o compromisso de um repasse mensal para apoiar o Hospital Municipal.

“A UPA é um projeto federal e o Estado também participa com contrapartida. Hoje estamos aqui na sede do Consórcio Intermunicipal da região com o objetivo de alinhar um projeto de regionalização de fortalecimento do SUS e do consórcio. O consórcio tem projeto em Barra e em todos os municípios com desejo de ampliar serviços, mas a nossa proposta é adequar um plano de fortalecimento da região de forma que a gente integre tanto a região de Campo Novo do Parecis, Tangará e Barra e com isso a gente tenha mais força para melhorar o acesso da população na região mesmo, evitando ao máximo o transporte para Cuiabá. E futuramente o projeto de descentralizar os serviços da vigilância sanitária que é muito importante também”.

A Secretária destacou ainda que a região de Tangará tem serviços de UTI no SUS e serviços que não estão adequados as normas e portarias do Ministério da Saúde.

“Nós temos um projeto, um apoio ao município para que haja a regulamentação desse serviço, adequação das UTIs e um projeto de expansão e implantação de uma UTI dentro do Hospital Municipal. O importante é expandir dentro dos serviços públicos, uma parceria feita entre Secretaria Municipal de Saúde, Secretaria Estadual de Saúde e Ministério da Saúde. A Secretaria Estadual hoje assume sob gestão própria mais de duas tabelas para apoiar as UTIs independentemente de serem públicas ou privadas. Esse recurso também vai ser repassado para o município quando a UTI estiver funcionando. Em relação ao Hospital Municipal hoje ele agrega um recurso para o custeio. Na medida que for implementando o serviço, isso vai ser ajustado. Foi esse o acordo”.

​Habilitação e ampliação de UTIs em Tangará foram discutidas em reunião​Habilitação e ampliação de UTIs em Tangará foram discutidas em reunião​Habilitação e ampliação de UTIs em Tangará foram discutidas em reunião​Habilitação e ampliação de UTIs em Tangará foram discutidas em reunião​Habilitação e ampliação de UTIs em Tangará foram discutidas em reunião