10/01/2018 13:29

Quantidade de visualizações: 141

Aline Schwaab com Gilvan Melo

A eleição foi realizada na sexta-feira (15/12).

O investigador Jucemilson Nazário que atualmente é Secretário do GGI – Gabinete de Gestão Integrada de Tangará da Serra, foi eleito Presidente do Sindicato dos Agentes Prisionais e Investigadores de Polícia Civil (Siagespoc).

À Pioneira, o investigador falou sobre a eleição que aconteceu também na sede em Cuiabá. “No dia 15 tivemos a eleição do Sindicato da Polícia Civil a nível de Mato Grosso e regionalizado, no qual em Cuiabá nós apoiamos a chapa 1 composta pela investigadora Edileusa e sua diretoria, que foi eleita com 80% dos votos. Aqui em Tangará da Serra, eu concorri a presidência do Siagespoc e fui eleito”.

Nazário destacou que um dos objetivos da nova gestão é buscar a valorização dos profissionais. “O meu projeto junto com a minha diretoria é conseguir uma área para dar início a construção definitiva de uma sede e buscar através das nossas ações a valorização principalmente dos investigadores e também um ambiente melhor de trabalho, além de buscar estrutura de trabalho, como armamento, munição, viaturas e mais investigadores para a nossa região. Estamos sempre buscando junto a Secretaria de Estado de Segurança Pública (SESP), junto a diretoria da polícia civil, junto ao Governo do Estado a valorização e os direitos dos investigadores e várias outras ações que forem em benefício da polícia e da segurança pública”.

Jucemilson Nazário deve ficar à frente do SIAGESPOC por três anos. “Em janeiro eu tomo posse para darmos início aos trabalhos e colocar em prática nossos projetos, voltados para a valorização do policial e do investigador, melhores condições de trabalho e novos filiados para que possamos ser um sindicato forte. A eleição é pelo triênio de 2018-2020. Em março eu vou promover a eleição do GGI que estou a frente a três anos onde tivemos várias conquistas. Em março vou transferir o cargo de Secretário para a Polícia Militar ou Politec, porque a eleição segue um cronograma de entidades, quem pode assumir hoje é a Politec, se ela não puder assumir, passa-se para a Polícia Militar. O meu foco é segurança pública, tenho 30 anos de serviços prestados na polícia civil e enquanto eu tiver vida e saúde e puder contribuir com a segurança pública no nosso município e no Estado de Mato Grosso, eu estarei à frente da instituição buscando prestar um bom trabalho”, concluiu.