19/12/2017 07:26

Quantidade de visualizações: 264

Rádio Pioneira com Gazeta Digital

A chegada do fim do ano e o aumento na circulação de pessoas em busca de presentes exigem cuidados redobrados para consumidores e comerciantes não caírem no golpe de cédulas falsas, que aumentam nesta época do ano, devido ao aumento no fluxo de dinheiro.

Estatísticas do Banco Central revelam que de janeiro a outubro foram recolhidas 4,575 mil cédulas de real falsas em Mato Grosso, de todos os valores. Em todo o país, 383,230 mil cédulas falsas foram tiradas do mercado.

As cédulas verdadeiras possuem itens de segurança facilmente identificados pelas pessoas, como a marca d’água, faixa holográfica, número escondido e alto-relevo, que são os mais comuns. “Até mesmo a textura das cédulas autênticas é diferente. O papel moeda é feito com fibras de algodão, que dão uma textura especial às cédulas. Então, em se tratando de dinheiro em espécie, as principais dicas são: achar que isso pode acontecer com você e conferir todas as cédulas”, aconselha.Para não deixar o período de maior ânimo do comércio se transformar em uma “cilada”, o assessor de Segurança do Sicredi, Matias Marques, recomenda que os comerciantes e os trabalhadores se protejam por meio da conferência das notas, evitando que elas entrem nos caixas do comércio e de prestadores de serviço e nos bolsos dos consumidores.

O comerciante Genildo Sampaio, que tem uma loja de embalagens em Cuiabá, relata que já foi vítima. Cerca de 70% dos pagamentos são recebidos em dinheiro e o restante em cartão, fato que o torna potencial vítima dos golpistas. “Foi num dia de bastante movimento que caí no golpe. Creio que um dos meus clientes recebeu uma cédula de 100 reais e me repassou, também sem saber que era falsa. Fiz um depósito e recebi uma ligação do banco informando que tinha uma cédula falsa. Fiquei no prejuízo”, relata.

Esse fato aconteceu há cerca de 1 ano e serviu de lição. Sampaio comprou uma caneta especial para conferir as cédulas e passou a fazer a verificação visualmente e pelo tato. “Não caí mais no golpe. Sei que muitos comerciantes do bairro (Tijucal) têm sido vítima dos fraudadores. Conferimos todas as cédulas, especialmente de 50 e 100 reais”.

O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Cuiabá (CDL), Nelson Soares Júnior, estima aumento de 10% nas vendas de dezembro, o que significa mais pessoas e mais dinheiro circulando no comércio. “E justamente por isso o comerciante não pode facilitar. Tem que manter os procedimentos e não deixar de conferir as cédulas.

Hoje estão disponíveis no mercado algumas ferramentas que auxiliam na segurança, como a caneta e a luz ultravioleta, com preços acessíveis. Conferir manual e visualmente as cédulas deve ser uma rotina. Os funcionários recebem treinamento para isso”. (Com informações da assessoria)