24/11/2017 14:03

Quantidade de visualizações: 301

Marlenne Maria - da Redação

Desde o dia 1º de outubro os recenseadores estão visitando todas as propriedades rurais do município. O censo acontece simultaneamente em todo o país até o fevereiro de 2018. Pequenos, médios e grandes produtores recebem a visita da equipe do IBGE – Instituo Brasileiro de Geografia e Estatística.

Os dados servem para alavancar políticas públicas e é o maior levantamento de dados do país em relação à agropecuária. O último censo agropecuário foi realizado no país em 2007.

De acordo com o Supervisor do Censo, Danilo Quirino de Castro, o Censo levanta sempre dados interessantes. “ É através do Censo Agropecuário que investigamos todas as propriedades, verificando aquelas que produzem ou que não produzem. Inclusive através do último censo descobrimos que o Mato Grosso é o maior produtor de soja”.

Em Tangará da Serra em 66 setores, oito deles já visitados. “Estamos realmente em uma força tarefa para cumprir os prazos. Sete pessoas estão fazendo as visitas. Todos os recenseadores, até os supervisores que eventualmente façam alguma visita, irão identificados com o colete do IBGE, azul marinho, com a logo do órgão, crachá com nome, função e a bolsa com a logo do órgão, além do boné também identificado com a logo do IBGE. E o principal: não usamos pranchetas. Usamos equipamento eletrônico para a coleta de dados”.

O levantamento feito é bastante completo, incluindo área da propriedade, nome do produtor, diversidade de produção, quantidade de produção, área de construção, área de pastagem e inclusive informações sobre custos de produção. “Buscamos uma base de quanto é gasto em cada propriedade para a produção. Até porque melhores decisões são tomadas quando se tem dados com credibilidade e segurança. Esta é a nossa função: vamos revelar a nova realidade rural brasileira. O Censo é o levantamento mais completo mesmo e por isso é importante que o produtor informe corretamente. A lei 5.534 regulamenta a prestação de serviços e diz que todo cidadão brasileiro deve prestar informações ao IBGE ou outros órgãos governamentais com a verdade. A mesma lei também garante o sigilo total das informações. O IBGE não repassa informações a ninguém. Colhemos o nome e o CPF coma assinatura do produtor, mas isto é para controle do IBGE para garantir a veracidade das informações. É tudo sigiloso e usado somente para fazer as estatísticas”, explica o Supervisor.

Ele ressaltou que não são solicitados dados bancários. “Só entramos na área de custo de produção ou em alguns casos como do turismo rural, algumas receitas. Mas, não fazemos linhas de financiamento, não somos agente financeiro”.

Todas as informações colhidas, conforme forem sendo processadas serão disponibilizadas nosite do IBGE.

Se houver dúvida em relação ao recenseador pode-se acessar o site do IBGE onde há um link para consulta ou no 0800-721-8181.