24/10/2017 12:55

Quantidade de visualizações: 334

Rádio Pioneira com Assessoria

Projeto foi apresentado na Semana de Ciência da ETE/Secitec, em agosto. Projeto será apresentado na etapa nacional, em Cuiabá.

O projeto “Seu Lixo Eletrônico Tem Endereço”, desenvolvido por alunos da Escola Técnica Estadual (ETE/Secitec) de Tangará da Serra foi classificado para a 14ª Semana Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação, que acontece de hgje (24) a 26 desta semana, na Arena Pantanal, em Cuiabá.

O projeto foi desenvolvido pelos alunos do curso de Manutenção e Suporte em Informática (MSI) da Escola Técnica e foi classificado em avaliação pela organização do evento que acontecerá na capital, após apresentação na Semana da Ciência, Tecnologia e Inovação promovido pela ETE/Secitec, em agosto. Houve apresentação, também, durante a Caravana da Transformação, na semana que passou.

Os cursandos Sergio Roberto Reichert e Luiz Fernando Carvalho estarão à frente da apresentação do projeto, sob supervisão e orientação da professora Josenai Terra.

O projeto prevê parceria entre a Escola Técnica e o Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (Samae). Pelo projeto, as escolas das redes públicas estadual e municipal receberão contêineres especiais para que a população do bairro onde a escola está localizada faça o descarte de equipamentos exclusivamente eletrônicos já em desuso, como computadores, impressoras, monitores, tablets, celulares, micro-ondas e outros. Empresas e órgãos públicos também poderão realizar o descarte nestes locais.

O objetivo do projeto é proporcionar destinação correta destes resíduos, que possuem grande potencial poluidor, já que contém elementos altamente tóxicos como arsênio, cádmio, chumbo e mercúrio, que contaminam o solo e o lençol freático, representando riscos à saúde humana e animal.

Os equipamentos descartados serão triados desmontados pelos alunos do MSI, que testarão os componentes (fontes, hd’s, placas, processadores, etc.), identificando os que ainda podem ser recondicionados. Os componentes restaurados poderão ser aproveitados por instituições públicas e entidades assistenciais/beneficentes/filantrópicas e associativas, enquanto o material inservível seguirá, através do Projeto Tangará Recicla, à Cooperativa de Reciclagem de Tangará da Serra (Coopertan) para o devido encaminhamento. Serão elaborados relatórios e estatísticas mensais sobre o material recepcionado, as peças recondicionadas e as entidades/instituições beneficiadas.

Segundo a professora Josenai Terra, o projeto significará menos volume no aterro sanitário, com redução da poluição no meio ambiente e também dos riscos à saúde pública. Além destes benefícios, o projeto representará aprendizado prático aos alunos do MSI.

Projeto tangaraense é apresentado em evento nacional