12/08/2017 07:41

Quantidade de visualizações: 104

Rádio Pioneira com Gazeta Digital

O ex-governador de Mato Grosso, Silval Barbosa (PMDB), afirmou que ele e o ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PP), pagaram R$ 6 milhões ao ex-secretário Eder Moraes para que ele mudasse o depoimento sobre um suposto acordo para compra de cadeiras no Tribunal de Contas do Estado, a fim de inocentá-los.

As informações fazem parte da delação premiada de Silval, homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e divulgada pelo "Jornal Nacional", da Rede Globo, na noite desta sexta-feira (11).

João Vieira

Silval diz que ele e Maggi pagaram Éder

Conforme a reportagem, Silval revelou à Procuradoria Geral da República como funcionava um esquema de corrupção no Estado na época em que Blairo era governador, entre 2003 e 2010, e depois quando assumiu o governo em 2011.

Aos procuradores, Silval disse que Eder Morais denunciou que os dois ex-governadores sabiam de uma compra de vagas no Tribunal de Contas do Estado. O esquema teria relação com a Operação Ararath, que investiga crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e crimes contra o sistema financeiro nacional.

Por conta deste depoimento, segundo a reportagem, Eder procurou Silval e pediu R$ 12 milhões para voltar atrás no que havia dito ao Ministério Público. Tanto Silval quanto Maggi aceitaram pagar, porém, a metade do exigido, ou seja, R$ 6 milhões. O dinheiro, segundo Silval, teria sido entregue a Eder pelo jornalista Gustavo Capilé, que é próximo de Maggi.

Ainda segundo Silval, o próprio Blairo confirmou que o pagamento foi feito em dinheiro vivo, entre 2014 e 2015. Já a "cota" de Silval foi entregue pelo então chefe de gabinete dele, Sílvio Cesar Corrêa Araújo, parte em dinheiro vivo, e outra parte usada para quitar uma divida de R$ 800 mil de Eder.

Após o pagamento, Eder voltou atrás e disse ter mentido no depoimento anterior. Com a mudança da versão, Maggi teve o inquérito que o investigava sobre o caso arquivado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Dias Toffoli, em 2016.

Agencia Brasil

Maggi nega repasse de dinheiro a Eder

Propina – Ainda na delação, Silval também citou que repassou R$ 4 milhões ao deputado federal Carlos Bezerra (PMDB-MT) pra que apoiasse uma candidatura à Prefeitura de Cuiabá. Ele também falou de pagamento de propina ao senador Wellington Fagundes (PR-MT), porém não revelou os valores.

Outro lado – Por meio de nota à imprensa, Maggi afirmou que Silval mentiu em delação e que não houve pagamentos feitos ou autorizados por ele. Além disso, garantiu que "jamais se utilizou de meios ilícitos na vida pública ou nas empresas".

Veja a íntegra da nota

Deixo claro, desde já, que causa estranheza e indignação que acordos de colaboração unilaterais, coloquem em dúvida a credibilidade e a imagem de figuras públicas que tenham exercido com retidão, cargos na administração pública. Mesmo assim, diante dos questionamentos, vimos a público prestar os seguintes esclarecimentos:

1. Nunca houve ação, minha ou por mim autorizada, para agir de forma ilícita dentro das ações de Governo ou para obstruir a justiça. Jamais vou aceitar qualquer ação para que haja "mudanças de versões" em depoimentos de investigados. Tenho total interesse na apuração da verdade. Qualquer afirmação contrária a isso é mentirosa, leviana e criminosa.

2. Também não houve pagamentos feitos ou autorizados por mim, ao então secretário Eder Moraes, para acobertar qualquer ato. Por não ter ocorrido isto, Silva Barbosa mentiu ao afirmar que fiz tais pagamentos em dinheiro ao Eder Moraes.

3. Jamais utilizei de meios ilícitos na minha vida pública ou nas minhas empresas.
Sempre respeitei o papel constitucional das Instituições e como governador, pautei a relação harmônica entre os poderes sobre os pilares do respeito à coisa pública e à ética institucional.

6. Por fim, entendo ser lamentável os ataques a minha reputação, mas estou com a consciência tranquila quanto às minhas ações e assim que tiver acesso ao teor da possível delação, usarei de todos os meios legais necessários para me defender, pois definitivamente acredito na Justiça. O momento exige serenidade e responsabilidade.

Blairo Maggi