11/08/2017 07:36

Quantidade de visualizações: 130

Rádio Pioneira com Assessoria

O Estado de Mato Grosso admitiu 34.374 novos trabalhadores em julho de 2017, mantendo um saldo positivo de 8.085 de contratações, com 26.289 desligamentos ocorridos do decorrer do mês. Isso revela que o mercado de trabalho formal empregou mais do que demitiu nesse ano em Mato Grosso.

Os números colocam Mato Grosso em segundo lugar no ranking geral de contratações, ficando atrás apenas do estado de São Paulo, que manteve o saldo positivo de 21.805 novos postos de trabalho. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados pelo Ministério do Trabalho, nesta quarta-feira (09.08).

O Caged revela também que o Brasil gerou 35.900 vagas formais de emprego em julho deste ano. No mês passado, foram registradas 1.167.770 contratações e 1.131.870 demissões de trabalhadores com carteira assinada em todo o país. Veja aqui, no campo as tabelas.

Esse foi o quarto mês consecutivo com criação de vagas com carteira assinada e a primeira vez, desde 2014, em que as contratações superaram as demissões no mês de julho. Foi o melhor mês de julho em quatro anos.

No acumulado de janeiro a julho deste ano, ainda de acordo com o governo, foram gerados 103.258 empregos com carteira assinada. No mesmo período do ano passado, o governo informou que foram demitidos 623.520 trabalhadores em todo o país.

Em Mato Grosso, o ranking por setor que mais contratou foi o seguinte: Agronegócio: 3.211; Indústria: 2.298; Produção de Alimentos e bebidas: 1.264; Serviços: 1.188; Construção Civil: 893; Varejo: 588; Comércio 538.

O titular da Setas, Max Russi, avalia que os dados do Caged do mês de julho mostram que a economia brasileira e a de Mato Grosso está dando sinais gerais de recuperação. “Tivemos um boa recuperação na economia, boa parte disse devido ao setor do agronegócio industrial, que sempre é um grande gerador de emprego. É um bom sinal de recuperação e a Setas vai continuar atenta no atendimento dos Sines e prestando o atendimento adequado para o trabalhador e empresário, que busca mão de obra”, disse o secretário da Setas.

O adjunto de Trabalho e Emprego, Samir Prado, comenta que um dos carros fortes para o aumento das contratações é a construção civil, com a retomada de obras na capital e no interior do Estado. “Tradicionalmente a agropecuária é que eleva o índice de empregabilidade no Estado, mas nesse setor existe a sazonalidade. E em abril, a construção civil foi o fiel da balança e puxou os dados positivos do Estado. As contratações são resultado das obras do Governo do Estado, empreendimentos em municípios do interior, especialmente nas cidades polo, a exemplo de Rondonópolis, Sinop, Lucas do Rio Verde e outras”, comenta o secretaria adjunto de Trabalho e Emprego.

SINE

A expectativa é de que os números continuem positivos no restante do ano, pelo menos até novembro, com a possibilidade de um ajuste no mês de dezembro. Em Mato Grosso, a intermediação da mão de obra do trabalhador é realizada pelo Sistema Nacional de Emprego (Sine) vinculado a Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social (Setas).

São 29 unidades de atendimento à população no Estado, sendo duas na capital, Cuiabá. E as demais nos municípios de Cáceres, Várzea, Grande, Rondonópolis, Diamantino, Sinop, Alta Floresta, Barra do Garças, Jaciara, Tangará da Serra, Água Boa, Alto Araguaia, Primavera do Leste, Sapezal, Guarantã do Norte, Sorriso, Pontes e Lacerda, Aripuanã, Colíder, Alto Taquari, Campo Verde, Campo Novo do Parecis, Confresa, São José do Rio Claro, Lucas do Rio Verde, Juara e a recém inaugurada unidade em Nova Mutum. Confira aqui a lista com os endereções e telefones de todas as unidades.

Confira o ranking de contratações formais de julho de 2017, conforme o CAGED:

BRASIL - ADMITIDOS, DESLIGADOS E SALDO DE JULHO DE 2017 - SEM AJUSTE

POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO

RANKING

Nível Geográfico

ADMITIDOS

DESLIGADOS

SALDO

BRASIL

1.167.770

1.131.870

35.900

SÃO PAULO

354.822

333.017

21.805

MATO GROSSO

34.374

26.289

8.085

GOIAS

46.453

41.708

4.745

AMAZONAS

10.070

8.182

1.888

CEARA

31.310

29.439

1.871

PARA

20.012

18.150

1.862

MARANHÃO

12.215

10.648

1.567

RONDONIA

8.960

7.704

1.256

DISTRITO FEDERAL

20.945

19.737

1.208

10º

MINAS GERAIS

136.750

135.630

1.120

11º

RIO GRANDE DO NORTE

11.731

10.768

963

12º

PARANA

86.847

85.888

959

13º

BAHIA

45.302

44.455

847

14º

PARAIBA

10.217

9.408

809

15º

PERNAMBUCO

28.556

27.762

794

16º

PIAUI

7.042

6.802

240

17º

ACRE

2.045

1.806

239

18º

AMAPA

1.857

1.654

203

19º

SANTA CATARINA

71.592

71.464

128

20º

RORAIMA

1.536

1.521

15

21º

TOCANTINS

4.930

5.047

-117

22º

ALAGOAS

6.184

6.325

-141

23º

SERGIPE

6.174

6.483

-309

24º

RIO GRANDE DO SUL

79.592

80.741

-1.149

25º

MATO GROSSO DO SUL

18.591

20.418

-1.827

26º

ESPIRITO SANTO

22.484

24.325

-1.841

27º

RIO DE JANEIRO

87.179

96.499

-9.320

Fonte: CAGED - Lei 4.923/65

Elaboração: CGET/DES/SPPE/MTb