28/07/2017 14:32

Quantidade de visualizações: 350

Marlenne Maria - da Redação

Em entrevista à Pioneira nesta sexta-feira (28), o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Tangará da Serra, Reck Júnior falou sobre a data.

Ao parabenizar os colegas agricultores ele destacou que é esta é uma profissão como todas as outras no país e que deve ser respeitada como tal. “A nossa profissão é tão nobre quanto todas as outras profissões. Fazemos isso porque temos esta vocação e ninguém precisa agradecer, apenas pagar o preço justo pelo nosso produto. Todas as profissões são nobres e necessárias para que vivamos em sociedade. Mas, neste dia, estendemos em nome do Sindicato Rural os parabéns a todos os agricultores de nossa cidade e região”.

Sobre os riscos da atividade, Reck lembrou que políticas públicas sérias seriam muito bem-vindas. “A agricultura é uma indústria e comércio a céu aberto. Então, lidamos com muitos fatores que fogem ao nosso controle. Podemos ter falta ou excesso de chuva e muitas vezes quando dá tudo certo não temos preço. Então, é uma atividade que foge do controle nosso. Mas, Deus nos deu essa vocação e é muito importante sim para a humanidade, porque vivemos sem muitas coisas, mas sem ar, água e alimento não podemos viver. Sofremos muito ainda por falta de políticas sérias e responsáveis e como qualquer outra atividade não aguentamos mais tanta carga tributária. Tudo que produzimos, mal dá para pagar os impostos. Esta dificuldade todo setor está sentindo. O pior, não é pagar, é não ter o serviço público de volta”.

Expectativas

A instabilidade vivida pelos brasileiros com crise política e crise econômica tem que ser amenizadas com urgência na opinião do presidente do Sindicato Rural. “ É complicado, porque com a economia da forma como está, todos ficam travados, sem saber para que lado o país vai. O Barco chamado Brasil está em alto mar e o comandante que está lá só consegue se equilibrar e não consegue comandar o barco. Ainda temos uma no e meio deste mandato. Em quatro anos é mais de 30% de um Governo. O Brasil não pode ficar nesta situação. Antes deste escândalo todo eu até era favorável que o Michel Temer ficasse, mas infelizmente é muita corrupção, malandragem e coisas erradas. E não podemos ficar à mercê disto. O país não pode continuar deste jeito. Com este ou com outro presidente, precisamos superar o quanto antes esta instabilidade política para que tenhamos estabilidade econômica e continuar trabalhando pensando que o dia de amanhã será melhor que o dia de hoje”.

Estoques Reguladores

Na opinião de Reck Júnior o Brasil não pode funcionar sem manutenção de estoques reguladores. “Qualquer investidor ou empresário não pode acreditar no país com esta instabilidade. Não se sabe com quem falar, como vai ficar a economia, se o dólar vai subir ou baixar. É complicado em todos os sentidos. O produtor e o consumidor final acabam sendo prejudicados por situações, por exemplo como a da carne, dos escândalos recentes. Porque o produtor está entregando a preço baixo e o consumidor continua pagando valor alto. E esta fatia está ficando para uns intermediários. Isto acontece com todos os produtos praticamente. É preciso ter equilíbrio com uma política séria de governo. A CONAB funcionava neste sentido. Não precisamos vender milho a R$ 35.00, mas não podemos também vender a R$ 10,00. É preciso entrar o governo quando o preço está baixo e fazer o estoque e quando está alto, disponibiliza o estoque regulador e se mantém a classe produtora produzindo com rentabilidade e as outras cadeias produtivas. Mas, para isto, temos que ter políticos pensando no país, na economia, pensando estrategicamente. Hoje, infelizmente, 110% dos políticos pensam apenas em como permanecer no poder. Eles têm que dedicar seu tempo na gestão em como melhorar o dia a dia dos brasileiros”.