29/06/2017 14:04

Quantidade de visualizações: 178

Marlenne Maria com Heverton Luiz

A legislação diz que no período de 15 de junho a 15 de setembro, não pode haver plantas de soja nas lavouras, a conhecida soja guaxa. Ela deve ser eliminada no manejo pós colheita, antes do dia 15 de junho.

O INDEA é o órgão fiscalizador e quando os técnicos encontram soja guaxa nas lavouras neste período, é dado um prazo para eliminar estas plantas e aplicada multa para quem descumprir. “Precisamos pensar que esta prática é importante para a manutenção da cultura da soja. Quanto menos ferrugem houver, menos fungicida precisa ser usado”, explica Eloiza Zucononelli, Delegada Coordenadora do Núcleo Aprosoja de Tangará da Serra.

Em entrevista à Rádio Pioneira ela destacou que o vazio sanitário é uma medida muito importante. “A ferrugem asiática é a principal doença da soja e o vazio sanitário, que é este período de proibição de 15 de junho a 15 de setembro, é uma ferramenta de manejo para diminuir o esporo do fungo que causa a ferrugem. Tem trazido muito resultado e é muito importante que se mantenha”.

Eloiza explicou que existem várias ferramentas agronômicas para o controle das doenças, como a genética, a química e a cultural que é a do vazio sanitário. Com estas medidas sendo tomadas adequadamente é minimizada a pressão da doença para a safra seguinte.

Segundo ela, com a portaria do vazio sanitário editada já há alguns anos, foi possível continuar plantando soja. “Se permitíssemos plantar o ano inteiro, não teríamos mais soja, porque a ferrugem cria resistência e cria indivíduos mutantes. Este ano, além da campanha do vazio sanitário com o controle cultural, temos também a campanha anti resistência. A Aprosoja, Andef, Comitê de Resistência a Fungicidas, Comitê de resistência a inseticidas e Associação Brasileira de Resistência de plantas daninhas aos herbicidas. Todas estas instituições juntas estão fazendo uma campanha forte pelo controle da doença, porque se ela perde o controle, colocamos em risco a cultura da soja”, destacou.

Em Mato Grosso o período de plantio da soja vai de 16 de setembro a 31 de dezembro e a colheita pode ser realizada até 05 de maio.

Confira o que diz a Portaria sobre o tema:

Seção IV

Do vazio sanitário para a cultura da soja

Art. 18. Fica estabelecido que o vazio sanitário para a cultura da soja no Estado de Mato Grosso é de 15 de junho a 15 de setembro.

Art. 19. Durante o “vazio sanitário” não será permitida a existência de plantas vivas de soja em áreas sob sistema de irrigação, em áreas de cultivo tradicional ou qualquer outra modalidade de cultivo, exceto os excepcionalmente autorizados.

Art. 20. Ficam os proprietários, arrendatários ou detentores a qualquer título de áreas cultivadas com soja, obrigados a eliminarem as plantas vivas de soja “cultivadas” ou “guaxas” em áreas de seu domínio, antes do período de “vazio sanitário” e durante para aquelas plantas que germinarem neste período, inclusive, as “plantas vivas” de soja ao redor de seus armazéns e à beira das estradas e ferrovias dentro da área de seu domínio.

§ 1º.A lavoura de soja que eventualmente não for colhida antes do período de “vazio sanitário”, cujas plantas continuarem vivas após o início do mesmo, serão compulsoriamente destruídas às expensas do proprietário, respondendo ainda pelas sanções cíveis, penais e administrativas cabíveis.

§ 2º.As plantas “guaxas” de soja que germinarem durante o período do “vazio sanitário” em áreas onde foi lavoura de soja ou em locais de domínio do produtor deverão ser destruídas imediatamente pelo mesmo.

§ 3º.Ficam obrigadas a manter sem plantas vivas de soja, durante o período do “vazio sanitário”, as instituições concessionárias ou administradoras de rodovias, ferrovias, portos fluviais e aeroportos nas áreas de seus domínios.