18/05/2017 07:56

Quantidade de visualizações: 177

Rádio Pioneira com G1

Ex-ministro Guido Mantega (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)

O empresário Joesley Batista, dono do frigorífico JBS, afirmou em delação à Procuradoria-Geral da República (PGR) que o ex-ministro Guido Mantega era o contato dele com o PT.

A informação é do colunista do jornal "O Globo" Lauro Jardim, que afirma que a gravação faz parte do material da delação premiada de Joesley e de seu irmão, Wesley Batista, fecharam com a Procuradoria-Geral da República (PGR) na operação Lava Jato.

Segundo o jornal, o ex-ministro da Fazenda de Lula e Dilma Rousseff negociava o dinheiro da propina para ser distribuído aos petistas e aliados com o empresário. De acordo com Joesley, também era Mantega que operava os interesses da JBS no BNDES.

O dono da JBS relatou também que havia uma espécie de conta corrente para o PT na JBS.

Mantega não se pronunciou até o momento.

As informações fazem parte do material da delação premiada de Joesley e de seu irmão, Wesley Batista, fecharam com a PGR na operação Lava Jato.

O colunista do jornal 'O Globo' conta que os irmãos Joesley e Wesley Batista estiveram na quarta-feira passada no Supremo Tribunal Federal (STF) no gabinete do ministro relator da Lava Jato, Edson Fachin – responsável por homologar a delação dos empresários.

Diante dele, os empresários teriam confirmado que tudo o que contaram à PGR em abril foi de livre e espontânea vontade.

Os depoimentos foram coletados do início de abril até a primeira semana de maio. O negociador da delação foi o diretor jurídico da JBS, Francisco Assis da Silva, que depois também virou delator.