16/05/2017 09:04

Quantidade de visualizações: 505

Rádio Pioneira com Olhar Direto

foto: reprodução

O suposto mandante da chacina que ocasionou a morte de 9 pessoas no distrito de Taquaruçu do Norte, no município de Colniza (a 1.065 km de Cuiabá), fugiu em uma caminhonete Hilux branca, mesmo com a Polícia Militar fazendo “campana” no entorno de sua residência. As informações estão contidas na denúncia formulada pelo Ministério Público Estadual (MPE) contra os cinco suspeitos pela autoria dos crimes em Colniza.

O caso ocorreu no dia 19 de abril deste ano, quando um grupo de cinco matadores intitulado “os encapuzados” mataram nove pessoas no município de Colniza. Os crimes teriam sido cometidos a mando do empresário

Valdeir João de Souza, conhecido como ‘Polaco Marceneiro’. Valdeir é dono das empresas Madeireira Cedroarana LTDA-EPP e G.A. Indústria, Comércio e Exportação de Madeiras LTDA-EPP, que exploravam ilegalmente os recursos do assentamento.

Um dia depois da chacina, policiais militares descobriram a casa do empresário apontado como mandante e ficaram de guarda no local. Valdeir, no entanto, conseguiu fugir por volta das 09h30 da manhã. O suspeito permanece foragido, apesar de seu advogado informar que ele ainda ‘tem interesse’ em se entregar.

“A equipe buscou cumprir o mandado de prisão do possível mandante do crime, (…) Relatamos que o segundo e último contato visual ocorrera na manhã do dia 30 de abril de 2017 por volta das 09hs30min quando suspeito em sua caminhonete ´Hilux de cor branca´ passou por nossa equipe que fazia campana próxima a sua residência. Desde então não mais conseguimos contato visual com o mesmo e desde então encontra-se foragido”, diz trecho do relatório obtido pelo Olhar Direto.

O texto também dá a entender que esta não foi a primeira vez em que os policiais viram o suposto mandante, uma vez que o há a informação de que aquele foi o ‘segundo’ contato visual entre os agentes e o empresário.
Consta na denúncia formulada pelo Ministério Público Estadual de Mato Grosso (MPE-MT) o pedido de manutenção da prisão preventiva contra os suspeitos Pedro Ramos Nogueira, Paulo Neves Nogueira, Moisés Ferreira De Souza, Ronaldo Dalmoneck; possíveis integrantes do grupo de pistoleiros.