09/05/2017 07:42

Quantidade de visualizações: 183

Rádio Pioneira com Gazeta Digital

Ao contrário de outras grandes cidades brasileiras e algumas capitais onde militantes, movimentos independentes e políticos do PT se organizam para ir a Curitiba na próxima quarta-feira (10), quando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva será interrogado pelo juiz federal, Sérgio Moro, Cuiabá não vai enviar representantes.

Diante das mobilizações pró-Lula em várias partes de país, o próprio juiz Moro, responsável pelas ações penais da Operação Lava Jato em primeira instância, divulgou um vídeo nas redes sociais pedindo aos cidadãos brasileiros que “apoiam a Lava Jato” que evitem fazer o mesmo. O objetivo, segundo o magistrado, é evitar possíveis conflitos.

Na gravação de 1 minuto e 20 segundos, o magistrado federal que julga os processos contra dezenas de políticos e empresários envolvidos no esquema de corrupção e desvio de dinheiro da Petrobras, explica que a oitiva do ex-presidente Lula, um dos réus em uma das diversas ações penais, é um ato normal do processo. Lula é réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, no caso do tríplex do Guarujá e terá o 1º encontro com Moro numa oitiva.

“O interrogatório é a oportunidade que o senhor ex-presidente terá para se defender, é um ato normal do processo, nada de diferente ou anormal vai acontecer nessa data, apenas esse interrogatório. Eu tenho ouvido que muita gente que apoia a Operação Laja Jato pretende vir a Curitiba manifestar esse apoio, ou pessoas mesmo de Curitiba pretende vir aqui manifestar esse apoio”, diz Sérgio Moro.

Em seguida ele pede que os apoiadores das investigações não compareçam na região onde fica o prédio da Justiça Federal de Curitiba. “Eu digo o seguinte: esse apoio sempre foi importante, mas nessa data ele não é necessário, tudo que user quer evitar nessa data é alguma espécie de confusão e conflito e acima de tudo não quero que ninguém se machuque em eventual confusão ou discussão por isso a minha sugestão é não venham, não precisa, deixa a Justiça fazer o seu trabalho, tudo vai ocorrer com normalidade e espero que todos compreendam”.

Em Cuiabá, o presidente do Diretório Municipal do PT, Volney Albano, explicou que o partido não vai enviar representantes para participar de qualquer ato em Curitiba, porém, mesmo à distância os filiados ao PT vão apoiar o ex-presidente.

“ A gente continua firme na posição de apoio ao presidente e entende que essa perseguição midiática e do judiciário tem como objetivo impedir o Lula de ser candidato a presidente da república em 2018. O golpe tinha 2 objetivos: de derrubar a Dilma e impedir que o Lula seja presidente novamente porque ficaria um golpe pela metade. O primeiro objetivo já foi consumado porque a Dilma foi derrubada num impeachment sem crime e agora o segundo objetivo é impedir o Lula de ser candidato. Se ele tivesse cometido algum crime, de fato, com certeza já estaria preso”, argumenta Volney.

Ele também critica as delações de ex-executivos da Odebrecht e atesta não existir provas contra o ex-presidente nas investigações. “Na Laja Jato as pessoas fazem delação e não envolvolvem o Lula e por isso ficam presas, depois fazem outras delações, dizem que mentiram e envolvem ele. É toda uma jogada política do Judiciário para impedir o Lula de ser candidato. O PT de Cuiabá segue com apoio firme ao presidente Lula. Vamos acompanhar o depoimento mesmo a distância e apoiar, pois o presidente tem que ter o direito de ser candidato para população decidir. A Justiça não pode usar o tapetão do judiciário para impedir ele de ser presidente”, argumenta.

O diretório Estadual do PT também não planejou enviar representantes para Curitiba.