19/04/2017 14:14

Quantidade de visualizações: 306

Rádio Pioneira com G1/MT

Procurador da ALMT foi preso suspeito de ameaçar garota de programa em Cuiabá (Foto: OAB/MT)

O procurador jurídico da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), Benedito Cesar Correa de Carvalho, de 46 anos, foi preso na madrugada desta quarta-feira (19) suspeito de tentar matar uma garota de programa, no apartamento dele, em um edifício no Bairro Consil, em Cuiabá. De acordo com o boletim de ocorrência que a vítima registrou na Polícia Militar, o procurador a ameaçou com uma faca. Ela se trancou na cozinha do apartamento e ligou para a polícia pedindo socorro.

A ALMT disse ao G1 que acompanha o caso e que deve abrir um procedimento interno para apurar a conduta do procurador. A reportagem não conseguiu localizar Carvalho.

Quando chegaram no prédio, os policiais ouviram a mulher gritando por socorro em um dos apartamentos.

A PM bateu na porta e, como ninguém abriu, a arrombou. Os policiais militares flagraram o procurador em um canto do apartamento, com uma faca na mão. Ele foi desarmado e detido pela polícia. À polícia, a vítima, de 22 anos, afirmou que é garota de programa e que tinha sido contratada pelo procurador.

Ela disse aos policiais que, depois de um tempo em que estavam no apartamento, o cliente começou a usar drogas. Chegou a oferecer o entorpecente à ela, mas a vítima recusou.

Conforme o relato da garota de programa, o servidor começou a ficar alterado, falava sozinho e dizia frases desconexas, até que pegou uma faca e foi na direção dela. Nesse momento a vítima correu para a cozinha onde se trancou, ligou para a polícia e pediu ajuda.

O procurador resistiu à prisão, foi algemado e levado para a Central de Flagrantes de Cuiabá. A Polícia Civil informou que Carvalho foi ouvido pelo delegado que estava de plantão e autuado por uso de droga, resistência e ameaça e depois foi liberado pela polícia. Ele assinou um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO). O teor do depoimento do suspeito ainda não foi divulgado pela polícia.

A reportagem ligou para a vítima, que não quis comentar o assunto.