06/01/2017 14:28

Quantidade de visualizações: 2458

Marlenne Maria - da Redação

Jane Claro, mãe do jovem Rodrigo Claro, morto há 51 dias enquanto participava do curso de formação de Soldado Bombeiro na Capital do Estado esteve nos estúdios da Pioneira na manhã desta 6ª-feira (06).

Em entrevista ao programa Primeira Hora ela ressaltou que a luta por informações tem sido diária no caso de seu filho. Até agora a família não recebeu o laudo do IML com as causas do óbito. “É uma luta diária. É uma luta constante. Não é fácil. Todos os dias a gente tem que relembrar o caso, todos os dias a gente tem que abrir um pouco a cicatriz. Estamos em busca de respostas que até agora não obtivemos. Estamos ainda nesta luta de aguardar o laudo do IML da causa morte do meu filho”.

Jane disse que as dificuldades enfrentadas no Instituto Médico Legal de Mato Grosso ficaram evidentes já no dia em que seu filho morreu. “É um drama muito grande vivido hoje no IML. O meu filho faleceu às 22 horas do dia 15 de novembro. E eles nos disseram no momento em que o corpo dele foi levado para o IML que as 7 da manhã o corpo estaria liberado. Às 7 horas da manhã chegamos ao IML para pegar o corpo do meu filho e ainda não tinha mexido, porque faltava material básico, como álcool e luvas. Não é culpa dos profissionais, porque eles também devem sofrer com esta situação. Eles ouvem todos os dias estas reclamações e nada podem fazer. E o Estado não dá a mínima para a dor dos entes queridos que sofrem. A família sofre muito com a angústia de ter uma situação pendente que não tem uma data para ser resolvida”, afirmou.

O atraso na liberação do laudo interfere no andamento dos processos que apuram as circunstâncias da morte do jovem Rodrigo. Além do Inquérito Policial Militar, sob a responsabilidade do Corpo de Bombeiros, há um Inquérito Civil em andamento, sob a responsabilidade da Delegada Juliana Chiquito Palhares. “Quando procuramos respostas, o que obtemos é que tem que ser assinado contrato com uma empresa que presta o serviço de assinatura digital para o estado. Mas, o contrato pelo que foi passado pelo médico legista é que venceu em agosto do ano passado. Eu estou há 51 dias. Mas, e estas famílias que aguardam desde agosto? A situação do meu filho vem em público todos os dias. A minha luta não é somente pelo meu filho, é por todos estes que talvez não tem voz”.

Ela lembrou ainda que no dia 10 de dezembro, Rodrigo teria se apresentado em Sinop para assumir a vaga no Corpo de Bombeiros.

Manifesto

Neste domingo, dia 08, às 17:00, a população está sendo convidada para participar de um manifesto na Praça da Bíblia. “Convido a todos que venham a nos ajudar nesta luta por justiça. Eu acho que não é só pelo meu filho. Então, vamos todos juntos nos unir para que possamos buscar justiça. A situação do meu filho está lá pendente. A gente não tem acesso a nada. Ontem, liguei para a Secretaria de Segurança e Justiça do estado, fiquei mais de 40 minutos pendurada no telefone e ninguém me atendeu. A imprensa tem acesso a tudo, mas a família não tem resposta. Vamos estar então, domingo, nesta luta por justiça”, disse Jane.