29/12/2016 13:51

Quantidade de visualizações: 304

Aline Schwaab com Heverton Luiz

Em entrevista à Pioneira, Anselmo Parabá, Chefe do Departamento de Cultura de Tangará da Serra, fez uma avaliação positiva do ano de 2016, destacando que as oficinas e saraus realizados ao longo do ano fomentaram ainda mais a Cultura no município.

“Para a cultura este foi um ano muito bom. Tivemos a potencialização das oficinas culturais; o público que se fidelizou no Centro Cultural durante esse ano de 2016 como resultado do trabalho do ano anterior; o encerramento das oficinas que aconteceram na Praça. Boa parte das apresentações foram frutos das oficinas culturais, assim como as exposições de arte e artesanato. A movimentação artística que aconteceu dentro da cidade, o convênio com o Circula-MT que aconteceu em parceria com a Secretaria Estadual de Cultura; as edições do Sarau que esse ano tivemos um público muito bacana em praticamente todas as edições; fortalecimento do Conselho Municipal de Polícia Cultural; aprovação do Plano Municipal de Cultura. Então foi um ano de grandes vitórias para a cultura em Tangará da Serra”, disse.

Além do Circula-MT, das oficinas e Saraus, ganhou destaque também, na avaliação do chefe de departamento, as exposições na Sala de Memória do município. “Nós tivemos cerca de 3300 vagas de oficinas, desse público teve uma porcentagem de 25% de pessoas que começaram e desistiram, mas com certeza os resultados finais foram maiores. Tivemos um público muito grande circulando também dentro da Biblioteca Municipal, os grupos de estudo, grupos de visita monitorada dentro da Sala de Memórias. A cada vez realizamos uma exposição diferente dentro desse espaço fazendo com que as pessoas viessem mais a esse espaço e também participassem mais da vida histórica do nosso município”, salientou.

Para 2017, Parabá destacou que a previsão é aumentar o número de vagas oferecidas pela Secretaria Municipal de Educação e Cultura para as oficinas culturais desenvolvidas dentro e fora do Centro Cultural.

“A gente espera no próximo ano fazer um trabalho mais fortalecido, abordando de fato as pessoas que querem fazer as oficinas. A expectativa é que nós tenhamos um aumento nas vagas de oficina, já que serão contratados 10 novos oficineiros que vão desenvolver as atividades em todo o município, A exemplo do que aconteceu em 2015 e 2016, a ideia é seguir com as oficinas descentralizadas. Foram realizadas oficinas na Escola Dom Bosco, na Décio Burali, na Fausto Masson, no Distrito de Progresso e em outros cantos da cidade, assim como o projeto Biblioteca Itinerante que circulou cerca de dez bairros da nossa cidade; então a ideia é que aumente ainda mais esses números e que as pessoas comecem a ter a visibilidade de que a cultura é tão importante para a cidade quanto a saúde, a educação e a infraestrutura”, concluiu.