25/11/2016 13:48

Quantidade de visualizações: 130

Marlenne Maria com Heverton Luiz

Em torno de 1.300 produtores rurais devem vacinar seus rebanhos bovinos e bubalinos, de mamando a caducando, contra a doença. O prazo para vacinação termina no próximo dia 30 de novembro e a comunicação das vacinas deve ser feita até o dia 12 de dezembro junto ao INDEA.

Mesmo com o horário em turno único adotado pela maioria dos órgãos estaduais, o INDEA continua atendendo durante o dia todo. O alerta é para que os produtores não deixem a comunicação da vacinação para a última hora porque além de Tangará da Serra o órgão atende no município produtores de uma vasta região.

Segundo a Veterinária Rosana Scapinni, até agora o índice de comunicação não chegou a 30%. “Os produtores estão deixando tudo para a última hora. Aconselho os produtores para aproveitarem ainda esta semana para virem comunicar. Acredito que muita gente já vacinou, mas ainda não comunicou. Aconselho que não deixem para a última hora. Vocês que costumam comunicar de última hora já sabem que temos tumulto. Então, não deixem para a última hora porque até nosso espaço é pequeno aqui”, destacou.

Ela lembrou que a vacinação é obrigatória para que Mato Grosso mantenha o status de estado livre de febre aftosa com vacinação. Quem não vacinar pode ser multado. “Pode acontecer a multa de 2.25 UPF. Em torno de R$ 300 reais por cabeça e terá que vacinar compulsoriamente na frente dos fiscais. A vacina contra a febre aftosa não é opcional. É obrigatória”, lembrou a Veterinária.

Brucelose

Rosana Scapinni ressaltou que também deve ser comunicada a vacinação contra brucelose das bezerras de 03 a 08 meses. “Quem já vacinou contra brucelose traga o atestado. Lembro também que não esqueçam de marcar o VC do lado esquerdo da cara das bezerras. Não basta só vacinar tem que marcar também para manter o manejo”.