17/11/2016 07:26

Quantidade de visualizações: 342

Aline Schwaab com Heverton Luiz

Ageu Martins - Coordenador da Vigilância Ambiental

A Vigilância Ambiental de Tangará da Serra está realizando nesta semana o último LIRA (Levantamento de Índice Rápido) do ano de 2016 de combate ao mosquito Aedes Aegypti.

De acordo com o coordenador da Vigilância Ambiental de Tangará da Serra, Ageu Martins, os resultados devem ser divulgados na próxima semana.

“No LIRA realizado em janeiro, quando assumimos o setor, tivemos 2.2% de infestação, em abril 1.4%, em junho 0.6% e setembro 0.3%. Segundo a OMS – Organização Mundial da Saúde, o permitido é igual a 1 ou menor que 1%, então desde junho o município de Tangará da Serra tem diminuído esse índice. Agora em novembro começamos a fazer o último LIRA deste ano. Na sexta-feira teremos o resultado final sobre como está esse índice em Tangará”, disse.

Ageu salientou que mesmo com a diminuição do índice, a população deve continuar com a prevenção ao mosquito Aedes Aegypti, transmissor de doenças como a Dengue, Zika e outras.

“O índice está diminuindo, mas a gente pede que a população fique atenta porque é através do armazenamento de água em caixas, tambores e vasilhas abertas que o mosquito fica nas bordas e deposita os ovos que podem ficar até 400 dias. Com o contato com a água posteriormente vira um novo mosquito, causando transtornos para a população”, disse.

Ageu destacou que os agentes de endemias continuam realizando vistorias nas residências e atendendo as denúncias que chegam na Vigilância. “O município é composto por 50 agentes em campo que fazem visitas dia-a-dia em casas, comércios, igrejas e terrenos baldios, vistoriando e fazendo orientações cabíveis a cada morador. A população tem que ter a ciência que esse mosquito pode causar transtorno e levar a morte. Não temos índice de dengue hemorrágica no município, mas é uma doença que pode matar”.

Os moradores que tiverem denúncias podem passar aos agentes de endemias ou entrar em contato no telefone 9 9952-9496 ou ainda na sede da Vigilância Ambiental, localizada na Rua Antônio Hortolani, nº 337-N, atrás da Praça dos Pioneiros. “Estamos de portas abertas para atender toda a população e tomar as providencias cabíveis”, concluiu o coordenador.

Leia também:

Tangará apresenta queda nas notificações de Dengue e Zika, afirmam coordenadores

Tangará: Departamentos apresentam balanço de combate ao mosquito Aedes Aegypti

Tangará: agentes de endemias fazem levantamento de focos do mosquito Aedes nos bairros